PUBLICIDADE

[Resenha] A Ultima Carta – Paulo Stucchi

Capa_Ultima Carta
Sinopse

Os milagres acontecidos no campo de trabalhos forçados de Plaszow durante a ocupação nazista na Polônia são o pano de fundo para uma intrincada história de mistério, perseguição e amor.

Ao morrer na véspera do Natal, o alemão Olaf Seemann delega ao seu filho, Hugo, seus dois últimos desejos: ter suas cinzas lançadas no Rio Reno em sua cidade natal, Colônia, e fazer chegar a uma misteriosa mulher judia uma carta de amor.

Contrariado, Hugo se vê obrigado a deixar para trás sua vida como publicitário para mergulhar na história de seu pai, a quem de fato nunca conhecera bem, dando início a uma história de conspiração envolvendo misticismo, morte e uma organização capaz de tudo para manter o passado enterrado nos escombros de Plaszow.

 

Olá pessoal tudo bem.

Hoje trago uma resenha cuja história vai me acompanhar por um bom tempo. É o segundo livro que leio de Paulo Stucchi e sabia que ia ser assim, pois até hoje não esqueço de César, Catarina e Ramonet em “O Triste Amor de Augusto Ramonet” (ver resenha)

A última carta conta a história de Olaf Seemann, que iremos conhecer junto com seu filho Hugo e embarcar com ele em uma viagem de aventuras, amor, suspense e mistério.

Hugo leva uma vida razoavelmente tranquila, trabalha em uma agência de publicidade, está financeiramente estabilizado, mas sente um vazio, uma tristeza insistente.

Mas tudo muda radicalmente a partir da noticia da morte de seu pai. Hugo não conseguia nutrir sentimentos por um velho que nunca lhe deu nada a não ser desprezo. Apesar de pagar todas as despesas do pai, Hugo pouco o conhecia, e, ocasionalmente recebia notícias por uma senhora que contratou para cuidar dele. Fora o próprio Olaf quem quis assim.

Agora, Hugo tinha um caderno com as memórias do pai, uma carta endereçada a uma tal Mariele e um recipiente com suas cinzas, com ordens para que jogasse no rio Reno, lugar onde havia crescido. Velho cretino! Pensava.

E como se não bastasse, surge em sua vida Valesca, que também recebeu uma carta de Olaf, mas endereçada à sua mãe. Que ligação seu pai teria com Martha, mãe dessa moça linda e desbocada? Quem era Mariele? Tantas perguntas…

Enquanto lia, passei por vários sentimentos contraditórios em relação a Olaf e ainda os tenho até esse momento. Não o perdoei, na verdade, nem ele mesmo foi capaz disso.

As respostas estavam em um caderno com as anotações de Olaf. Logo, Hugo descobriu que corria perigo e era perseguido por uma organização secreta que quer manter os segredos do passado, no passado.

E assim que lhe roubaram o caderno, percebeu que ia ter que ir a fundo para conhecer o restante da história, encontrar Mariele e por fim ao mistério.

E foi isso que ele fez. Convidou Valesca para acompanhá-lo até a Alemanha, afinal o passado também lhe pertencia, e embarcaram nessa viagem que trouxe o amor, revelações surpreendentes, que quase os levaram àmorte e pior, uma incerteza cruel tanto pra eles como para nós leitores. Amei e odiei o livro por isso. rs

Mariele era uma jovem judia prisioneira de Plaszow, com estranhos poderes de vidência e cura. “A intocada”. E por causa do lhe fizeram, a vida de três soldados nazistas teria o destino para sempre selado a ela. Inclusive às vidas de Hugo e Valesca, que sequer haviam nascido.

Para vocês terem uma ideia, até Oscar Shindller tentou tirá- la de Plaszow. Coitada! Essa mulher sofreu demais.
E segundo as memórias de Olaf, tudo aconteceu em uma noite de folga dos soldados.

Heinz, amigo de infância de Olaf, e Marcus, outro soldado do grupo, resolveram lhe fazer uma surpresa nesse dia. E o pecado se consumou ali. E nunca mais Olaf teve paz. Passei a odiá-lo a partir desse ato e nem mesmo Mariele, com todo seu amor, conseguiu me convencer do contrário.

Hoje, apesar de tudo, Hugo está em paz. Entregou a carta a Mariele e acho que nunca soube o que estava escrito nela, porém penso que mesmo que soubesse, não ia fazer grande diferença, afinal conviver com a verdade talvez fosse pior que a dúvida.

Amei, amei e amei. Recomendo sem dúvida. Só devo alertá-los quanto à diagramação que é muito miúda e atrapalha um pouquinho a leitura. 🙁

 

Atualmente, o livro está disponível pela loja online AQUI
Também nas livrarias Nobel do Plaza Shopping Itu e Plaza Shopping Indaiatuba. Em breve, também na Livraria Martins Fontes Av. Paulista.
O autor nas redes sociais:

TwitterFacebook

Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

40 Comentários em “[Resenha] A Ultima Carta – Paulo Stucchi

  • Olá Marcia tudo bem, não conheço esse autor, mas me interessei pela leitura. O enredo com um pai distante e um filho juntamente com esse pedido estranho é muito interessante, gosto de livros assim, sua resenha está ótima. Bjkas

  • Olá!

    Eu gosto de ler livros assim sabe? Que tem toda uma história por trás de alguma coisa. Eu não conhecia o livro, porém pretendo descobrir o que há de trás dessas cartas hahaha. Adorei tua resenha, coração!

    • Obrigada Kátia. Eu também gosto e esse autor sempre usa um momento histórico pra contar suas histórias. 🙂
      Bjs

  • Oi!!
    Eu não conhecia esse livro, mas depois de ler a tua resenha fiquei curiosa. Com certeza eu adoraria ler o livro e me aprofundar mais nessa história instigante. Pena que a fonte é pequena isso é muito ruim para quem tem problema de visão.
    Beijão!

  • Olá,

    Não conhecia a obra e gostei muito da premissa, com certeza é algo que eu leria.

    Grande Abraço
    oblogcaentrenos.blogspot.com.br

  • Olá Marcia, o enredo parece estar bem legal, gosto bastante de livros que trazem segredos e acontecimentos da 2° Guerra e mesmo que esse não seja o foco me deixo com vontade de lê-lo.

    Visite “Meu Mundo, Meu Estilo”

  • Olá,
    Não curto muitos livros que se passam durante a guerra.
    Mas achei interessante toda a investigação no qual ele se ve envolvido.

    http://euinsisto.com.br

  • Senti falta de saber mais detalhes da sua opinião, mas o livro parece incrível e acho que eu também amaria. O tamanho da fonte vai me incomodar com certeza, mas acredito que pela leitura vale passar por esse obstáculo

    Ju – Entre Palcos e Livros

    • Oi Ju. Obrigada pela crítica em uma próxima resenha vou procurar expressar mais minha opinião.
      Sim, a história é tão boa que tu passa por cima desse obstáculo. 🙂
      Abraços.

  • Oii,
    Esse é daqueles livros que já te conquista pela capa, ai depois pela historia. Eu leria esse sem dúvidas, adoro livros com essa temática.

    Abraços!
    http://lendocomobiel.blogspot.com.br/

  • Olá!
    Eu não gosto muito de livros ambientados em guerras e confesso que não dava nada por ele apenas lendo a sinopse, mas sua resenha me convenceu.
    O livro parece ser bem interessante e os personagens também. Fiquei curiosa sobre esse relacionamento (ou a falta dele) do personagem com o pai e também quero saber mais de Mariele.
    Ótima resenha e dica anotada.
    Beijos!

  • Oi, Marcia, tudo bem?
    Tive a impressão que você deu uns spoilers aí hein, rs.
    É a primeira vez que ouço falar nesse livro, mas fiquei super interessada. Adoro livros com temas diferentes, em países e culturas diferentes. Já anotei aqui e espero poder ler em breve.
    Beijos <3

  • Oiii
    Achei bem interessante e eu particularmente gosto de histórias que acontecem em épocas históricas. Parabéns pela resenha, ficou muito boa.
    Dica de leitura anotada!

    Beijos

  • Não conhecia nem livro e nem autor.Gostei da capa, bem sinistra e deixa o leitor curioso. Fiquei curiosa, mas quando li letras miúdas dei uma brecada, a miopia aqui é enorme e meus olhos doem demais quando forçados em leituras assim.Enfim, se tiver oportunidade, quem sabe adquiro e leio devagar.

    bjs

  • Gabriela Cerqueira
    1 ano ago

    Olá.
    Não posso ver nada sobre a segunda guerra que já fico louca e ansiosa para ler, a maioria dos livros sobre esse tema são mais relatos de pessoas que sofreram e sobreviveram para contar a tortura que foi e esse livro é diferente disso, irei ler, muito obrigada pela dica.
    bjs

    • Olá Gabriela. É verdade e por mais que o assunto seja explorado, ainda há de ser tem muitas histórias.
      Obrigada. 🙂

  • Gente, mas não tem como gostar desse Olaf mesmo não. A história parece incrível, mas eu ia ler, com raiva ou não gostando nada, nada desse personagem. Mas enfim, gostei bastante da resenha, eu ainda não conheci o autor, mas com essa resenha simplesmente me apaixonei pelo livro, e vou adicioná-lo na minha lista de livros que eu devo adquirir.
    https://leitorironico.wordpress.com/

  • Oi Marcia ^^
    Histórias situadas durante a Segunda Guerra Mundial me fascina. Ver a força das pessoas tentando sobreviver, o desespero, o quanto a humanidade pode ser cruel se assim desejar… O Holocausto trás essa gama de informação em sua bagagem que quase todo livro que o tem como cenário nos apresentada. Não sei se A Última Carta possui isso, mas confesso ter ficado curioso para saber sobre os segredos que Olaf manteve em vida.
    Coitado do Hugo, ter um pai nada afetuoso e que mesmo morto ainda lhe manda como se fosse um serviçal. 🙁
    Guria, você me deu spoiler! Sim, agora nem precisa formular se foi entregue ou não a carta à Marlene porque você já respondeu! Não faça isso. Fico choroso. 🙁 kkk
    Parabéns pela resenha.
    Fiquei em dúvida em dois quesitos: Qual a editora desse livro? Ele é livro físico ou ebook?
    Bjs :*

  • Gosto muito de ler alguns romances ambientados em períodos históricos importantes. Ajudam a conhecer esses períodos e também jogam outras luzes sobre eles. Ótima resenha!

    • Também gosto e por mais que o assunto já foi exaustivamente explorado, ainda nos surpreende. Obrigada.

  • Olá, Márcia.
    Você conseguiu me deixar curiosa quanto ao livro. Esse suspense todo me atrai. Sem contar que o período histórico em que a história se passa, é muito rico, apesar de muito doloroso também.
    Abraços.

  • Adoro histórias com personagens bem trabalhados, daqueles que amamos ou odiamos, não importa. Vejo que esse é um “desses”, que mesmo depois de lido a última página, sua história nos acompanha por um tempo. Adorei, Marcia.

    atraentemente.blogspot.com

  • Linda resenha e um livro com uma temática bem interessante.

  • Livros que possuem como base a temática da segunda grande guerra são sempre muito bons, mesmo que não se passem no período do conflito, trazem um resquício de história que dá a beleza a trama. Bela resenha.

    http://www.vestigiodelivros.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga - me