PUBLICIDADE

Coluna: “Meu Mundo Literário” Lucas Rodrigues

Olá pessoal!

O Lucas vocês já conhecem ele é  o nosso ex- “gasparzinho ” do blog rs. Agora um colaborador real e constante.

Além de ser meu amigo, meu primo e como já disse quando estamos juntos não há espaço pra quem não ler!

Quando li esse texto, não sabia da história do livro “O Perfume”, eu tinha emprestado para o pai dele.
Achei legal isso. rs

Posso dizer seguramente que meu mundo literário começou por volta de 2006. Tinha 13 anos e estava em uma crise existencial adolescente, daquelas que nada na vida faz sentido sabe? Foi em uma tarde fria, entediante e inóspita que eu o encontrei.
O livro estava na mesa de cabeceira no quarto da minha mãe e estava aberto, como um convite. Como que me esperando. O título me chamou atenção imediatamente: Perfume; A história de um assassino.
Eu então o folheei e comecei a ler. Contava a história de um bebê recém nato que tinha um olfato apuradíssimo e sua mãe morrera em seu difícil parto.
Os dias foram passando de modo que eu me via envolvido naquela história, era de uma rotina religiosa, eu chegava da escola por volta de 12hs e o abria aonde tinha parado. Todos os dias. eu e aquele livro estávamos ligados de forma intrínseca meu caro leitor, isso vai ficar claro no decorrer do relato.
Até que então, em um belo dia, não tão belo assim, deixe-me corrigir, eu cheguei da escola e não encontrei aquele livro. Não estava na mesa de cabeceira no quarto da minha mãe. Não estava em lugar algum. Depois de procurar exaustivamente por todo buraco da casa que ele pudesse caber, eu me dei por vencido.
Aquilo deixou um vazio em mim, um pequeno vazio. Até hoje, se tem uma coisa que eu não suporto, é uma história inacabada (e veja bem, esse é meu maior problema com as séries de tv).
Mas tudo bem, vida que segue. E a minha seguiu. Foi em uma festa de aniversário se não me engano, eu e meu primo estávamos discutindo sobre Harry Potter, é eu estava perdendo miseravelmente, afinal de contas eu tinha assistido apenas, até a ordem da fênix, enquanto ele, embora não tivesse lido os livros, a irmã mais velha lera, é contava tudo pra ele.
“Bem que ela podia me emprestar” soltei, como quem não queria nada. E de fato eu não queria, depois de  Perfume estava meio desencantado com os livros.
No que a Samantha, irmã do dito primo passa por nós
“Samantha o Lucas quer ler Harry Potter, você empresta?”
“Empresto” Ela respondeu sem rodeios.
Eu não fazia a mínima ideia que minha vida estava prestes a mudar completamente.
No outro dia eu fui buscar livro, e embora já tivesse assistido A Ordem da Fênix, Samantha me aconselhou a começar por ele, pois o filme “mudava algumas coisas”. Segui seu conselho e fui pra casa com o livro.
Foram os melhores sete dias da minha vida. Eu estava entregue a aquela história, estava apaixonado. Em sete dias eu li o livro, e a única coisa que eu sabia era que eu precisava do próximos volumes. Os quais eu devorei em poucos dias e muito mais rápido do que eu poderia querer, terminara de ler a saga do Harry Potter. Foi minha primeira DPL (depressão pós livro).
Então pra minimizar aquele sentimento de perca eu voltei a ler Hp, mas do começo dessa vez, pela Pedra Filosofal até o cálice de fogo. E eis que não teve jeito, tive que dizer adeus a Hogwarts. Foram muitos dias de discussão e debates acalorados sobre a saga do Bruxo entre mim e a Samantha (acredite, HP rende MUITO assunto) e viramos melhores amigos. Só que ainda existia um vaziozinho aqui. E então, a Marcia, mãe da Samantha e dona desse projeto incrível, o Mundo Literário, me guiou por toda sorte de livros que vocês puderem pensar.
Alguns anos depois então, ela me ligou, me pedindo ajuda, precisava limpar o guarda roupa e isso incluía as pesadas caixas de livros guardadas em cima do guarda roupa. E caramba, nunca tinha visto tantas preciosidades. Desde Stephen King até outros livros mais raros, primeiras edições e edições do falecido círculo do livro. Eu estava perdido em todas aquelas histórias quando meus olhos bateram nele: Perfume; A história de um assassino. A mesma capa. A mesma edição. O MESMO LIVRO. Fiquei encantado e embriagado de felicidade ao mesmo tempo. Marcia me emprestou o livro e eu pude terminar.
Bem, queridos leitores do mundo literário, essa anedota foi escrita só pra mostrar que a literatura tem a força de nos unir. De nos ligar a pessoas diferentes e construir novos laços. De conhecer outras culturas e outros mundos. Na verdade a literatura tem o poder de mudar o mundo, o meu eu posso dizer que ela mudou sim, quem sabe quem eu seria agora, se não tivesse conhecido esse mundo?
O Perfume é um romance do escritor alemão Patrick Süskind, publicado pela primeira vez em 1985. Foram vendidos 15 milhões de exemplares em quarenta línguas. O título original alemão é Das Parfum, die Geschichte eines Mörders (tradução literal em português, O Perfume, História de um Assassino).
Sinopse
França, século XVIII. O recém-nascido Jean-Baptiste Grenouille é abandonado pela mãe junto a restos de peixes em um mercado parisiense. Rejeitado também pela natureza, que lhe negou o direito de exalar o cheiro característico dos seres humanos, pelas amas-de-leite e por instituições religiosas, o menino Grenouille cresce sobrevivendo ao repúdio, a acidentes e doenças. Ainda jovem descobre ser dotado de imensa sensibilidade olfativa e parte em busca da essência perfeita, do perfume que lhe falta para seduzir e dominar qualquer pessoa. Nessa busca obsessiva, ele usurpa a essência dos corpos de suas vítimas.
Patrick Süskind (Ansbach, Baviera, Alemanha, 26 de março de 1949) é um escritor alemão.
Filho do escritor e jornalista W. E. Süskid, Patrick, estudou História Moderna e Medieval na Universidade de Munique e em Aix-em-Provence, na França. Publicou primeiramente alguns contos, entre eles: “Uma Batalha” – incluído em uma antologia, A Pomba, em 1979. Mas foi “O Perfume”, lançado em 1985, seu primeiro livro de sucesso, seguido por “ A História do SR. Sommer” de 1991 e, em 1995, “Três Histórias”. Outro trabalho que lhe deu fama foi o monólogo dramático “O Contrabaixo”.
Muito pouco se sabe sobre a vida de Süskind, que é considerado uma das pessoas mais retraídas do cenário literário alemão. Süskind evita até mesmo noites de autógrafos e não é muito simpático à ideia de transformar seus livros em filmes,com medo de que sejam plagiados ou falsificados. Apesar disso, “o Perfume” foi transformado em filme por Tom Tykwer, tendo estreado em 14 de setembro de 2006.
Além de escritor, Patrick é também roteirista de televisão. Escreveu alguns roteiros para a TV alemã, como o seriado Der ganz normale Wahnsinn. Ao lado de Helmut Fischer escreveu o roteiro de Rossini, uma história que se passa no submundo de Munique. “O Perfume” foi publicado inicialmente em capítulos, no jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung, revivendo a tradição dos folhetins. A série “O Perfume” fez tanto sucesso que no final daquele mesmo ano (1985) foi transformada em livro. A obra alcançou o topo das listas de best sellers na maioria dos países em que foi publicada.
Fonte: Wikipédia
E você? Qual sua história? como começou seu mundo literário?
 

Para participar da coluna, envie um e-mail para contato@mundoliterando.com.br ou acesse o formulário de Contato do blog, com o assunto participar da coluna: “Meu Mundo Literário”



Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: