PUBLICIDADE

Coluna o “Meu Mundo Literário” – Escritor Leo Vieira

Leo Vieira é uma pessoa muito querida e especial para mim, desde que comecei com á página do ML sempre me apoiou e se fez presente de várias formas.

Agora redige uma coluna aqui no blog e eu espero que vocês possam  curtir tanto quanto eu. Estou muito grata.

Leo Vieira é autor do livro “Alecognição”. Mora em Niterói, no Rio de Janeiro e atualmente faz uso de suas experiências como blogueiro e escritor para dar dicas a outras pessoas que se aventuram no mundo dos blogs. Além disso, é membro de diversas Academias de Letras.

 

COMO COMEÇOU O MEU MUNDO LITERÁRIO

O meu mundo literário começou muito cedo. Sempre gostei de ler e escrever e já gostava de criar histórias antes mesmo da alfabetização. Gostava de histórias infantis ilustradas, depois passei pelos quadrinhos e atualmente leio e escrevo de tudo. Também gosto muito de
fazer pesquisas paralelas sobre tudo que acompanho e isso me ajuda a compreender mais ainda.
Quando lia, costumava fazer uma breve anotação sobre cada livro, antes mesmo dos blogs literários se popularizarem com as resenhas.
Com a necessidade de ter um espaço meu para apresentação de resenhas e ideias, surgiu o Antro Literário, que está presente em diversas plataformas (Blog, Twitter, Google+, Youtube, e Facebook). É o meu cartão de visita e a minha ferramenta para publicidade, resenhas, ideias e interação com outros blogs, leitores e escritores.

Sobre experiências literárias a minha família que serviu de estímulo, têm várias. Minha mãe sempre foi leitora assídua e também escrevia poesias de vez em quando.
O meu pai lia muito jornal, livros e volumes de enciclopédia na época que era comum ter dezenas de volumes na estante. Ele também tinha muitos livros de teologia na estante e até mesmo chegou a compor hinos religiosos.

Quando ele se separou de minha mãe, acabei ficando com tudo e gostei tanto que estudei teologia.
A minha finada avó materna também era grande fã da literatura. Além de escrever poesias, também era compositora. Chegou até a concorrer em festival e teve um poema publicado em uma
antologia. Isso há 30 anos, em uma época em que algo do tipo era muito mais difícil.

Um livro infanto-juvenil que eu gostei muito de ler é o “Rumo à Liberdade” (Giselda Laporta Nicolelis) e me marcou bastante no conceito de amizade. Outro que também gostei muito e me fez ter mais gosto pela leitura foi “O Retrato de Dorian Gray” (Oscar Wilde), que me fez tomar gosto pelas leituras de suspense. Isso tudo aos 13 anos.
(Leo Vieira)

 Rumo à Liberdade – Giselda Laporta Nicolelis
Sinopse
Dr. Luís é o jovem médico que assumiu, há um ano, o Posto de Saúde de uma cidadezinha do interior. Vindo da capital – atraído pela rara experiência que irá ter, como clínico, além de um bom salário oferecido pela prefeitura -, logo acaba cuidando de todos os seres vivos do local, pois acumula também a função de veterinário. Bom caráter e médico devotado, torna-se muito querido pelos seus pacientes e pelas pessoas em geral. Quando finalmente, depois de um ano trabalhoso, resolve sair de férias para rever a família, desejam-lhe boa viagem e um breve retorno. Dentro do ônibus que o levará a São Paulo, Luís põe em prática um antigo projeto – escrever suas lembranças de garoto solitário, órfão de pai e que vivia na companhia da mãe e do avô materno. Certa vez, o avô lhe trouxe um animal de estimação inusitado – um pássaro, Vira, que se tornaria seu amigo inseparável. Um dia, contudo, não tendo as asas cortadas, o Vira voa atrás de outro pássaro, possivelmente uma fêmea. Desolado, Luís cai em prantos. O avô então o consola, dizendo que a liberdade é um bem precioso que deve ser respeitado, e que ele mesmo, quando crescer, também baterá as asas, seguindo seus próprios caminhos.

Compare e Compre

Autora Giselda Laporta Nicolelis

 

Giselda Laporta Nicolelis é uma escritora brasileira de literatura infanto-juvenil.

 

Nasceu em São Paulo, capital, em 27 de outubro de 1938. Sua casa era uma ilha cercada de livros por todos os lados, o que a tornou até hoje uma leitora compulsiva.

 

Formou-se em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero. Publicou sua primeira história em 1972, a antologia Estórias, Bichos! pela Editora do Escritor, SP, imitando a saga de Jacó, do famoso poema de Camões. Depois de 14 anos, finalmente, foi a vez do primeiro livro, Coruja Lelé, também de literatura infantil, pela mesma editora. Hoje sua obra abrange mais de cem títulos, entre livros infantis e juvenis, ficção, poesia e ensaio, publicados por dezenas de editoras, com centenas de edições, e milhões de exemplares vendidos.

 

Exerceu também o jornalismo, em publicação dirigida ao público infantil e juvenil, e trabalhou como coordenadora editorial, em duas coleções juvenis. Sócia-fundadora do Centro de Estudos de Literatura Infantil e Juvenil, cujo acervo se encontra atualmente na Universidade de São Paulo, da União Brasileira de Escritores, do Sindicato de Escritores do Estado de São Paulo e da Clearing House for Women Authors of America.

 

Recebeu vários prêmios, de poesia, conto, romance, e literatura infantil e juvenil, entre eles: Prêmio Monteiro Lobato de Literatura Infantil, da Secretaria do Estado da Cultura, SP, 1974; Prêmio Nacional João de Barro de Literatura Infantil, da Prefeitura de Belo Horizonte, MG, 1980; Prêmio APCA (Associação de Críticos de Arte) do Estado de São Paulo, de Literatura Juvenil, 1981; Prêmio Jabuti de Literatura Juvenil, da Câmara Brasileira do Livro, 1985, São Paulo, SP, em parceria com Ganimedes José.

 

O Retrato de Dorian Gray – OSCAR WILDE
Sinopse

 

Dorian Gray é um belo e ingênuo rapaz retratado pelo artista Basil Hallward em uma pintura. Mais do que um mero modelo, Dorian Gray torna-se inspiração a Basil em diversas outras obras. Devido ao fato de todo seu íntimo estar exposto em sua obra prima, Basil não divulga a pintura e decide presentear Dorian Gray com o quadro. Com a convivência junto a Lorde Henry Wotton, um cínico e hedonista aristocrata muito amigo de Basil, Dorian Gray é seduzido ao mundo da beleza e dos prazeres imediatos e irresponsáveis, espírito que foi intensificado após, finalmente, conferir seu retrato pronto e apaixonar-se por si mesmo. A partir de então, o aprendiz Dorian Gray supera seu mestre e cada vez mais se entrega à superficialidade e ao egoísmo. O belo rapaz, ao contrário da natureza humana, misteriosamente preserva seus sinais físicos de juventude enquanto os demais envelhecem e sofrem com as marcas da idade.

Compare e Compre


Autor Oscar Wilde

 

Oscar Fingall O’Flahertie Wills Wilde, um dos maiores escritores de língua inglesa do século 19, tornou-se célebre pela sua obra e pela sua personalidade. Sofisticado, inteligente, dândi, adepto do esteticismo (da “arte pela arte”), escreveu contos (“O Crime de Lord Arthur Saville”), teatro (“O Leque de Lady Windermere”), ensaios (“A alma do homem sob o socialismo”), e romances (“O Retrato de Dorian Gray”).
Oscar Wilde era filho de um médico, Sir William Wilde e de uma escritora, Jane Francesca Elgee, defensora do movimento da Independência Irlandesa. Desde criança Oscar Wilde esteve sempre rodeado por grandes intelectuais. Criado no protestantismo, destacou-se nos estudos das obras clássicas gregas e no conhecimento dos idiomas.
Em 1882, foi convidado para ir aos Estados Unidos para falar sobre o seu recém criado Movimento Estético, com as idéias de renovação moral. Defendia o “belo” como única solução contra tudo o que considerava maléfico à sociedade. Esse movimento visava transformar o tradicionalismo na época vitoriana, dando um tom de vanguarda às artes.
No ano seguinte foi para Paris, e, em contato com o mundo literário francês, seu movimento acabou por se enfraquecer. Em seguida, retornou para a Inglaterra, onde se casou com Constance Lloyd e foi morar em Chelsea, um bairro de artistas. O casal teve dois filhos, mas mesmo após o casamento, Oscar continuou frequentando todas as rodas literárias, espalhando glamour e comentários nos eventos sociais em que comparecia, sempre elegante e extravagante.
Em 1880 lançou “Vera”, um texto teatral bem sucedido. Chegou a ter três peças em cartaz simultaneamente nos teatros ingleses.Em seguida publicou uma coletânea de poemas. Em 1887 e 1888, seu período mais produtivo, lançou vários contos e novelas, como “O Príncipe Feliz”, “O Fantasma de Canterville” e outras histórias.
Em 1891, lançou sua obra prima, “O Retrato de Dorian Gray”, que retrata a decadência moral humana. No entanto, no seu apogeu literário, começaram a surgir os problemas pessoais. O que antes eram boatos quanto a uma suposta vida irregular, passaram a se concretizar, dando início à decadência pessoal do escritor. Apareceram rumores sobre sua homossexualidade, (severamente condenada por lei na Inglaterra), que não puderam mais serem negados. Oscar se envolveu com Lord Alfred Douglas (ou Bosie), filho do Marquês de Queensberry, que sabendo do relacionamento, enviou uma carta a Oscar Wilde, no Albermale Club, onde o ofendia e recriminava já no sobrescrito: “A Oscar Wilde, conhecido Sodomita”.
O escritor decidiu processar o Marquês por difamação. Depois tentou desistir do processo, mas era tarde demais e as provas da sua vida sexual desregrada começam a aparecer. Um novo processo contra ele foi instaurado. Sua fama começou a desmoronar. Suas obras e livros foram recolhidos e suas comédias retiradas de cartaz. O que lhe restava foi leiloado para as despesas do processo judicial. Acabou passando dois anos na prisão, que lhe renderam obras comoventes como “A Balada do Cárcere de Reading” (1898) e “De Profundis”, uma longa carta ao Lord Douglas.
Ao sair da prisão, retirou-se para Paris, onde adotou o pseudônimo de Sebastian Melmouth e onde passou o resto dos seus dias, em hotéis baratos, embriagando-se com absinto.
Por hoje é só pessoal espero que tenham curtido.
E você como começou e como é seu mundo literário?

Para participar da coluna, envie um e-mail para contato@mundoliterando.com.br ou acesse o formulário de Contato do blog, com o assunto participar da coluna: “Meu Mundo Literário”

 


Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: