PUBLICIDADE

Entrevista com a escritora Stella Freire

 

Gostaria de deixar registrado que a autora é muito simpática, inteligente e divertida , que além de escrever também sabe cantar ! No Evento se apresentou cantando “Quelqu’un m’a dit da Carla Bruni” com Erick da Banda Condução do Sistema. Stella Freire nos presenteou com um exemplar de Borderline autografado aos leitores do Mundo Literário para sortearmos, o nosso muito obrigada , parabéns e muito sucesso!
A entrevista foi realizada por Lucas Rodrigues e Jéssica Samantha , autores e financista do blog.




ML: Fale sobre o livro: O tipo de literatura, o que a levou escrever , quanto tempo para escrever e o por que do título Borderline – Além do Limite?

SF: Borderline é um romance policial que não é totalmente focado no crime,ele fala acima de tudo de pessoas, pessoas reais que não são boas nem más. A história é focada em duas mulheres e um crime. Mônica é uma pintora no auge de sua carreira que tem quase tudo. Ela é linda, rica, famosa, tem um noivo fantástico, Rafael, e é uma psicopata. Seu transtorno de personalidade passaria despercebido se ela não tivesse perdido o controle e tentado matar a cunhada de oito anos. Anita Ciccone, estudante de psicologia e amiga de infância de Rafael, noivo de Mônica, retoma o contato com ele em uma exposição de Mônica. À medida que ela começa a se reaproximar de Rafael, vai se apaixonando e começa a desconfiar que Mônica tentou matar a cunhada, assim ela resolve investigar mais a fundo. Eu levei mais ou menos 1 ano e meio para finalizar o livro. Na hora de nomear o livro, a música da Madonna, “Borderline”, me inspirou bastante! Pensei no conceito de limite e em como ele se aplica a quase todas as personagens do livro. Para mim, foi uma escolha perfeita, mas agora muitas pessoas se confundem com relação ao transtorno de personalidade Borderline.

 

ML: Os lugares são fictícios? Em que época se passa a história?

SF: Nem todos. Em São Paulo,coloquei referências verdadeiras, como por exemplo: A praça Salim Farah Maluf, a rua Acaris… O apartamento da Anita realmente existe. Eu não cito sua localização no livro, mas acreditem, ele existe! Inclusive a razão da Anita morar em Santo Amaro é que um dia, eu estava indo á um sebo na região e me deparei com o prédio.Se a Anita existisse, com certeza moraria ali! A maior parte da trama acontece em 2010, em São Paulo, mas também se passa em Nova Iorque e tem flashbacks a partir de 1989.

ML: O que você quis passar para o leitor, que compromisso tem o livro?

SF : A vida já é complicada o bastante e ás vezes, me parece que perdemos a sua essência! Reclamamos tanto, complicamos tanto, nos preocupamos tanto! Se eu puder ajudar as pessoas a se lembrarem um pouquinho mais do que vale a pena, já estarei satisfeita. O livro também traz algumas reflexões de modo bem sutil, a respeito de nossa sociedade atual, do ser humano em si, das diferenças sociais, do amor, da vida, do excesso de confiança… Mas não é nada muito explícito.

ML: A Mônica personagem do livro a principio ela teria Borderline , dá pra confundir com psicopatia?

SF: A Mônica tem psicopatia mesmo. Entendo a confusão de alguns leitores, pois Borderline também é um nome para o Transtorno de Personalidade Limítrofe, mas o Borderline a que se refere o título do meu livro, é a tradução da palavra em inglês, que é limite, linha de borda.

ML: Quais seus escritores favoritos , se espelhou em algum?

SF: Gosto de muitos escritores, como por exemplo: Stieg Larsson, Caio F., Suzanne Collins, Pedro Bandeira, Machado de Assis, Ágatha Christie, Nicolas Sparks, Carlos Ruiz Záfon,Clarice Lispector, Federico Moccia,Khaled Hosseini,Meg Cabot,Stephenie Meyer,J.K. Rowling, Sophie Kinsella, George R. R. Martin… Meu escritor preferido é o Sidney Sheldon. Ele me inspira em muitos aspectos desde a minha infância. Me espelho nele, não só como escritora mas como pessoa. Já li muito, mas estou longe de ler tudo aquilo que desejo. Ainda há tanto para conhecer!

ML: Fale um pouco da burocracia de se publicar um livro aqui no Brasil, do evento , o que você espera depois do lançamento e divulgação do livro?

SF: Há uma dificuldade enorme de se publicar um livro aqui. Acredito que isso ocorre não só o Brasil, mas no mundo inteiro! Em todo lugar há muitos autores com obras que valem a pena serem lidas, então, digamos que a concorrência é grande e isso torna as coisas um tanto difíceis, mas quando você tem um sonho e acredita no que faz, nada pode te parar. Vamos ter um evento na quarta feira dia 06/06/12, onde falarei um pouco sobre o livro, haverá um sorteio, algumas oficinas, apresentações musicais, inclusive com o Erick da banda Condução do Sistema. Vai ser bem divertido! Ainda estou no comecinho, mas posso ser sincera? Espero uma boa repercussão, com certeza!

ML: Você leu o livro? O que achou como leitora?

SF: Li muito! Como leitora, minha opinião não é diferente da que tenho como autora, mas posso dizer que ele é um livro descontraído, reflexivo e que vale a pena ser lido muito também, pelo que está nas entrelinhas! Como autora, posso dizer que Borderline é a introdução de algo maior e dá pequenas pistas disso…

ML: Seus planos literários futuros , Bordeline vai ter uma continuação?

SF: Pretendo escrever por toda a minha vida! Estou trabalhando na continuação de “Borderline”, que se chamará “Let die”. Ela trará muitas reviravoltas. Novas personagens chegarão e as mesmas personagens de “Borderline” passarão por situações que vão mudar estou trabalhando na divulgação de “Borderline” e vou me dedicar mais à sua continuação quando estiver com um pouquinho mais de tempo, mas aguardem ! Muita coisa está por vir!

ML: Fale de uma frase ou cena do livro que mais gostou?

SF: Todas as partes da Mônica! Mas o epílogo em especial… A Mônica está voltando á consciência, está cansada e não sente vontade de fingir, ou enganar ninguém.Ela está em uma situação em que tem que tomar muito cuidado com o que dizer se quiser se salvar, mas ao invés disso, sua frase expressa mais do que tudo, sua repudia por qualquer um que não seja ela mesma.”Os olhos azuis de Mônica faiscaram de ódio quando ela sorriu e disse:

— Vá para o inferno, decrépito nojento.”

ML: Para terminar nossa entrevista quais foram sua fonte de pesquisa em relação a psicopatia?

SF: Pesquisei em livros, entrevistas com a Dr. Ana Beatriz Barbosa Silva, artigos na internet e publicações periodicas.

Bom pessoal espero que tenham gostado assim como nós!
Boa leitura!
Comprar o livro
Borderline no Skoob
Perfil da Autora – Facebook
Aguardem sorteio do livro!

Jéssica Samantha recebendo o livro para sorteio.
No dia da entrevista
Dia do evento

 

Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

5 Comentários em “Entrevista com a escritora Stella Freire

  • Nossa que entrevista gostosa de se ler, adorei mesmo, e olha qu enoa sou mto de ler mtas entrevistas hhahaha
    Mas gostei do jeito que foi falado do livro e quero ler logo.
    A autora ta de parabens, e desejo mto sucesso!

  • Pelas respostas as perguntas , vai longe essa menina , parabéns e muito sucesso! Parabéns a todos!

  • *-* vocês não sabem a enorme felicidade que deu ao ler este post!
    Parabéns Mundo Literário pela excelente entrevista e a Stella, que tive o enooorme prazer de conhecer, parabéns pelo livro!
    E sem querer "puxar o saco", mas ela é realmente tudo isso que se comentou no começo da entrevista!
    Sucesso!

  • Parabéns a Stella! Ela é talentosa e tem muito futuro!

  • Será que vamos ter uma Agatha Cristie entre nós, será ótimo, gostei da entrevista e o livro deva parecer bom também, sucesso valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: