PUBLICIDADE

Leo Vieira: A Culpa é De Quem?

A Culpa é De Quem?

Você finalmente realiza o sonho de publicar um livro! Junta uma boa grana, procura uma editora por demanda legal, investe nos registros, arte, revisão, diagramação, lote e quando lança… quase ninguém compra!
Você volta pra casa com aquela pilha inútil de livros e o volume é ameaçado pelas traças e mofo. Você negocia uma consignação com uma livraria e perde metade do que poderia lucrar com as vendas. Poucos exemplares são vendidos, isso porque naquela mesma época, a Disney promoveu um mega lançamento de diversos títulos de Star Wars e Heróis Marvel no formato de romances. As prateleiras foram todas tomadas e seus livros foram parar lá no canto da estante.
Você então é chamado para buscar os exemplares restantes e recebe o seu repasse das vendas que mais parece um comissionamento. Você então acaba fazendo uma liquidação pela internet e decide vender tudo a preço de custo, mas no fim das contas, você acabou tendo uma despesa maior. A solução é respirar fundo e praguejar o mercado literário nacional que menosprezou sua obra.

Prepare-se agora para a sacudida de quem também já passou por isso:
– Arrumar um culpado para os seus fracassos é uma atitude imatura.
– O fato de escrever uma boa história não é garantia para o êxito nas vendas.
– Editora por demanda é prestadora de serviço e não é obrigada a promover venda nem marketing de seu livro.
– Livrarias são comércios e não são obrigadas a darem mais atenção a livro nacional independente.
– O mercado editorial é para todos e assim como você, a Disney também está investindo (e muito dinheiro por sinal) para promover seus produtos nas versões literárias também.

Mas não desanime. Procure entender mais como os grandes autores e editoras fizeram para ganhar espaço neste mundo tão competitivo. Nem tudo é feito a base de dinheiro. Criatividade e esperteza para agir no momento certo conta muito e nos dá o merecido espaço.

Clique na tirinha para vê-la em tamanho completo.

Leo Vieira

Sou ESCRITOR (romances, contos, crônicas, composições musicais e roteiros [com filiações e reconhecimentos acadêmicos]), ATOR (teatro e dublagem [tenho DRT]), ILUSTRADOR (personagens próprios, quadrinhos independentes e desenho animado) e PRODUTOR CULTURAL (feiras literárias). Minha formação é teológica; atualmente estou estudando Letras, Jornalismo, Cinema e Marketing.

52 Comentários em “Leo Vieira: A Culpa é De Quem?

  • Oi, tudo bem?
    Adorei o post, você tem uma visão muito boa do que é o mercado editorial, e também o novos autores. Realmente nem tudo é mil maravilhas e um novo autor pode passar por situações complicadas até chegar aonde realmente quer. Adorei mesmo.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    • Obrigado, Kétrin.
      Fico muito feliz em ser útil e por ver que isso tem ajudado alguns colegas. Sonhar é preciso, mas é preciso sonhar com os pés no chão, sem se perder nos devaneios.
      Essa utopia de que as editoras nacionais devem dar atenção aos escritores brasileiros iniciantes não pode mais povoar em nossas cabeças.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Concordo sobre o mercado, mas ao mesmo tempo hoje temos mais oportunidades de ler obras inéditas de autores não profissionais do que antes. Espero que melhore,mais não podemos só esperar, temos nós mesmos que apoiar os autores.

    • Oi, Angel. Muito bom o seu comentário.
      Nós, autores também somos leitores. Será que todos também apoiamos o nosso colega (Lendo, comentando e indicando)? Não podemos somente querer os aplausos. Temos que interagir com blogs, páginas, escritores porque desta forma o trabalho de todos vai ramificando.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Oi, André. Isso mesmo. O importante é não perder o foco.
    Abraços!
    Leo Vieira

  • Essa, infelizmente, é a triste realidade do nosso mercado editorial. O pior é que muitas vezes mesmo com todo o esforço para divulgar a obra, o resultado não é o esperado. Mas as coisas estão mudando. Hoje, a Internet tem mudando muito o mercado. Quantos autores não são lançado após fazerem sucesso em redes como o Whatpad.
    Gostei muito do tema levantado.
    Abraços,
    André, do Garotos Perdidos
    http://www.garotosperdidos.com

  • Oie
    muito legal seu post, é um belo assunto pra ser debatido principalmente entre autores e blogueiros, gostei muito de ver isso por aqui

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

  • Finalmente uma postagem sobre o mercado editorial que está completamente certa.
    Acho um saco ficar vendo um monte de autores – e pior ainda, de blogueiros – arrumando culpados e desculpas para um livro não ser vendido como se o problema fosse por causa de grandes lançamentos. Ok, eu sei que o mercado não é facil e também sei que é complicado um autor publicar sozinho e ainda concorrer com uma empresa que tem investimento em marketing. Mas, achar que as editoras precisam tratar os livros apenas como sonhos não faz sentido. Livro (por mais que a gente ame e tudo o mais) é um produto e até mesmo para que as editoras possas abrir espaço para autores não tão conhecidos precisam daqueles que já fizeram um grande sucesso e que irão garantir vendas altas.
    Parabéns Leo… você disse tudo e eu super concordo!
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

  • Oi
    Publicar um livro não é fácil, infelizmente. Acredito que para ter sucesso, muito trabalho tem que ser feito. é uma luta constante a divulgação de uma obra de um autor iniciante
    Bjus

  • Olá, realmente concordo com vocês nos pontos citados, mas acredito que o principal caso de muitos autores não conseguiram atingir o espaço desejado, é falta de histórias novas. Pegue por exemplo a grande maioria de romances que vem sendo lançados ultimamente, com mocinhas e mocinhos do mesmo jeito, romances de época sem nada inovador, romances água com açúcar aos montes, difícil conseguir se destacar criando histórias a tantas que já estão no mercado.

    • Oi, Mairton. Entendo esse ponto de vista, mas a humanidade gosta de clichês porque isso faz parte da rotina da vida de cada um. Todo mundo faz a mesma coisa todos os dias. Isso se aplica nas músicas, nos filmes, nas novelas…
      Todo mundo faz igual, mas alguns conseguem fazer menos igual que os outros, de destacando neste diferencial.
      Abraços,
      Leo Vieira

  • Oi, Leo!
    Muito bom esse texto! Sempre soube das dificuldades encontradas pelos novos autores. Gasta-se muito e o retorno nem sempre é o esperado. Tenho uma amiga que publicou um livro para realizar um sonho e parou por aí. O filho de um amigo está divulgando e vendendo por conta própria o livro que publicou, (ficou com alguns exemplares).
    Como você disse, é um mundo bem competitivo e o autor não pode desanimar. Tem que correr atrás do seu sonho e usar de toda criatividade possível.

    Abraço!

    • Oi, Cidália. Não se pode deixar levar pelos devaneios. O autor fica cheio de gás e se lança cheio de afobação e acaba se tornando megalomaníaco e termina frustrado e rancoroso. Tem que ir devagarzinho, pensar pequeno, fazer uma coisa de cada vez…
      Beijos,
      Leo Vieira

  • olá…
    realmente é um sufoco se dar bem no mercado editorial brasileiro…
    como vc bem falou, nem sempre o sucesso é garantido, mesmo que o livro seja bom…
    é um trilhar sofrido, de muito empenho…
    bjs…

    • É um caminho cansativo, Valéria. Mas vale muito a pena e é e imensa importância para o aprendizado.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Oie, tudo bem? Achei seu post muito interessante e informativo, vai ajudar bastante quem já está e quem quer entrar neste meio editorial.

    • Oi, Thaísa. Fico muito feliz quando noto que o texto foi útil. Espero mesmo que todos se conscientizem sobre como investir no mercado literário e editorial com disciplina e paciência.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Oi, Leo 🙂
    Ótimo texto!!!
    Pelo que ando pesquisando e vendo, sai mais em conta você publicar sua obra primeiro como e-book (se tiver coragem publica ela no wattpad) para depois procurar uma editora que veja se você tem um público suficiente para ser lido.
    Vejo muitas editoras apostando em diversos livros nacionais que nem sempre vendem, parece uma disputa descontrolada para ter mais títulos na casa do que retorno em vendas.
    Os seus textos sempre me dão um banho de realidade, Leo. Muito obrigado por suas palavras sinceras, por não me deixar no mundo fantasioso que vários autores propagam desde que entrei no mundo da leitura.
    Abraços

    • Oi, Bruno!
      Exatamente, amigo! Como sempre falo, o maior inimigo do escritor é o ego. Antes de tudo o escritor precisa se apresentar.
      Blogs, páginas literárias, sites, revistas em PDF, colunas em jornal virtual, redes sociais, Twitter, canal no Youtube, associações culturais, academias de letras, etc.
      A partir daí, o escritor vai construindo e cativando o seu público.
      Com o aumento de acessos e visualizações nos blogs e Youtube, os sites farão inserção de publicidade e te pagarão.
      Com essa popularidade, as editoras podem começar a sondar e oferecer proposta de parceria. Produtores culturais podem fazer convites para palestras remuneradas (olha aí a oportunidade pra vender livros também!), entre outros projetos patrocinados. É um dinheirinho que vai entrando por todos os lados e aumentando consideravelmente com o seu progresso literário. E o melhor de tudo: você terá o luxo de poder dizer que vive do ofício de escritor.

      Não se deve querer construir uma casa pelo telhado. E o pior: tentar encontrar um culpado por algo não ter dado certo.
      Obrigado pelo contato.
      Abraços,
      Leo Vieira

  • Um choque de realidade muito necessário.
    Ainda não sou apar dessa enxurrada de possíveis coisas que possa acontecer caso eu lance um livro, por isso não é uma ideia que eu estou cogitando no momento.
    Abr

    http://blog-myselfhere.blogspot.com.br/

    • Oi, Bárbara. Coloque em prática. Tudo depende de planejamento, organização, disciplina e ação.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Carolina Ramires
    10 meses ago

    Olá!
    Adorei seu texto! Realmente, não depende apenas das editoras o sucesso do livro e sim do seu próprio esforço para divulgação, nada vem fácil e é preciso muito empenho para fazer dar certo.
    Beijos.

  • Oii Leo, tudo bem? Gostei muito do seu texto! Acompanho a luta diária de alguns autores independentes e realmente não é nada fácil passar por isso. E a tirinha mega inteligente, como sempre! Estou adorando acompanhar seus conteúdos aqui no blog! 🙂
    Beijos!

  • Olá!

    Ótimo texto. Palavras mais do que verdadeiras rs
    O processo de criação, produção, vendas e tudo mais é algo realmente complicado e que exige muito esforço!

    Abraços

  • Olá!
    Adorei o texto e acho que retrata muito bem o que encontramos em nosso mercado editorial atualmente e, infelizmente, se você paga bem você tem direito a um mega marketing e divulgação do seu trabalho, se não paga, você se ferra. Acho que, se pensarmos em apenas um culpado, ficaremos malucos, pois é uma união de fatores, como você disse.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    • Oi, Bruna! Eu acho uma bobagem desnecessária gastar dinheiro com marketing. É muito mais gratificante começar devagar e ir conhecendo aos poucos os leitores, os blogs, os colegas e com isso ir acompanhando cada etapa.
      Quando eu quis lançar bonecos dos meus personagens, uma artesã me cobrou R$300 para modelar e confeccionar cada um deles. Decidi então investir num curso de modelagem e costura e com mais uma pesquisa aprofundada, aprendi a desenvolver essa arte. E está sendo uma experiência muito legal, porque a cada dia aparecem novas ideias para novos projetos. É claro que um artesão profissional faria melhor, mas é uma experiência tão única quanto escrever.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Francine Porfirio
    10 meses ago

    A frustração de publicar um livro e vê-lo acumulando poeira é muito grande… Mal consigo imaginar como me sentiria nessas condições. Sabemos que é um risco, que pode acontecer com qualquer um. Vemos o sucesso de um autor, vemos o fracasso de outro… e mal percebemos o que determina isso. O que leva alguém a construir uma carreira bem-sucedida na literatura e outra pessoa não. :/ Complicado.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.com.br

    • Oi, Francine. O maior inimigo do escritor é o ego. Eu gastei
      dinheiro para confeccionar o meu primeiro livro e só não tive mais
      prejuízo porque não encomendei lote. E fico muito satisfeito por não ter tido dinheiro na época, isso porque eu conheço um cidadão que gastou R$17.500 e não teve nenhum retorno.
      Se é pra obter o mérito de escritora, você pode gastar R$20 no registro da obra e publicar tudo em um blog. Você se torna escritora do mesmo jeito e não se aborrece com prejuízo.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Morgana Brunner
    10 meses ago

    Leo, cada vez que entro nesse blog e vejo uma postagem sua me sinto animada para realizar a leitura, você possui argumentos ótimos que mesmo sendo tristes é a realidade que muitos autores convivem. É com pesar que vemos muitos autores sofrendo paa publicar sua obra que querendo ou não, possuem certo momento e modelo de conseguir trazer uma certa reflexão para nós leitores.
    Abraços

    • Oi, Morgana. Fico muito feliz em ver reações positivas como a sua. A intenção é criar uma conscientização sobre o mercado literário e editorial de uma forma mais franca e sensata. Já li duras queixas e entrei em altas discussões com escritores que me achavam injusto.
      Não adianta ficar resmungando que a situação está difícil. Temos que ter maturidade para enxergar os dois lados e saber o que está errado.
      É um caminho estreito, espinhoso e cansativo. E nem todos estão preparados para aprender e se preparar sobre isso.
      Abraços,
      Leo Vieira

  • Morgana Brunner
    10 meses ago

    Leo, cada vez que entro nesse blog e vejo uma postagem sua me sinto animada para realizar a leitura, você possui argumentos ótimos que mesmo sendo tristes é a realidade que muitos autores convivem.
    Abraços

  • Olá Leo! Gostei bastante do seu texto. E realmente é assim, uma triste realidade. Algumas editoras só exploram, mas existem algumas que valorizam o escritor nacional. Mesmo sendo um cenário difícil, a persistência é a chaves e claro, trabalhar duro também. Abraços

    • Oi, Suzana. É aquele negócio; editoras precisam ver o lado delas porque são empresas. Não podemos esperar que elas fiquem facilitando pros autores iniciantes e desconhecidos porque há muito dinheiro nesse mercado. Se o autor tiver um bom potencial de venda, daí a coisa muda.
      Abraços,
      Leo Vieira

  • Infelizmente isso acontece com muita gente. Se o autor pede seus livros por demandas, deve lidar com as consequencias, o que significa suar para divulgar. O segredo é se esforçar mesmo.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    • Oi, Eduarda. Desse jeito mesmo. Que bom seria se cada escritor iniciante tivesse um pouco e espírito empreendedor.
      Abraços,
      Leo Vieira

  • Oi Leo, tudo bem? Eu super concordo com a sua reflexão. O mercado editorial hoje está bastante concorrido e infelizmente a ideia de que só os bons são publicados não existe mais. Hoje publica quem tem dinheiro. O problema vem depois. se a historia vai pegar, se o livro é realmente bom, se o autor teve o apoio necessário, se o livro se encaixa nas exigências do leitor e do mercado… enfim, encerro meu comentário da mesma forma que você inciou a sua postagem: a culpa é de quem?

    • Oi, Fabiana. Nem tudo é dinheiro. Conheço pessoas que gastaram uma grana que dariam pra montar uma gráfica modesta e ainda assim não obtiveram nenhum retorno.
      Agora não apontaria culpado, mas reforçaria que a responsabilidade é sempre de quem está encabeçando o projeto. No caso, o autor. Pensem pequeno e deem um passo de cada vez. Pelo menos o sonho e ser escritor estará realizado. Se um dia vai vender muito e ter lucro, aí são outras etapas.

  • Jonathan Freitas
    10 meses ago

    Olá!
    Poxa, bem triste esta situação, realmente esses itens que você citou são todos veridicos, as livrarias não tem obrigação a dar prioridade as obras literárias nacionais, já que as obras estrangeiras chamam mais atenção. Os leitores também não tem culpa se preferem ler algo estrangeiro do que do próprio país, ás vezes por mero preconceito. Já li ótimos títulos nacionais, muito melhores do que títulos estrangeiros, mas que infelizmente não tem o mesmo valor para os consumidores. O autor nacional tem que se esforçar muito, divulgando sua obra, para que venda.

    Abraço!

    • Oi, Jonathan. Você está correto, mas permita-me ressaltar alguns pontos:
      Existe um esquema de marketing e distribuição muito complexo.
      Nos quadrinhos, a Mônica dá uma surra (de coelhada!) na Disney, Marvel e DC juntas (86% das vendas de gibis), enquanto nos cinemas, animação e licenciamento de brinquedos, não podem nem ficar perto.
      O último filme da Mônica no cinema deu prejuízo e segundo o Maurício de Sousa, “foram milhões que foram pelo ralo”. Isso num período cheio de desenhos da Disney e Dreamworks.
      Nesse ponto de vista é melhor as empresas lançarem brinquedos de quem? Por que um parque de diversões catarinense resolveu investir em atrações e personagens estrangeiros?

      O que eu quero dizer é que existe um esquema de preparo que muitos não conhecem e (infelizmente) nem querem conhecer.

      Para um livro ser distribuído em várias livrarias, o lote mínimo varia entre 3 mil e 15 mil livros. Essa grana uma editora só banca se o livro tiver o balanço da alta venda no seu país de origem. É por isso que existem tantos livros estrangeiros e que vendem muito.
      Há um esquema de preparação, marketing e administração muito complexo e muitos escritores não têm a mínima ideia.
      Se você conseguir provar que vendeu 5 mil livros em um mês em várias escolas, eventos e feiras de forma independente, com certeza uma editora vai aparecer e te convidar para tomar um cafezinho e falar de negócios.

      Como você comentou, “O autor nacional tem que se esforçar muito, divulgando sua obra, para que venda”. E também para obter o reconhecimento.
      Grande abraço,
      Leo Vieira

  • “Livrarias são comércios e não são obrigadas a darem mais atenção a livro nacional independente.” Concordo, pois trabalhei em livraria e infelizmente nas livrarias o objetivo é obter livros comuns ou que todos estão lendo, pois se não ela saí no prejuízo! Ainda mais quando é em shopping, pois o aluguel é mega caro! Adorei a postagem e ajuda a galera a não desanimar
    !!

    • Obrigado. Triste é quando um autor desinformado fica teimando que livrarias são contra eles. Talita Rebouças ficava na livraria pra falar do próprio livro. Hoje ela não precisa mais disso, mas fico pensando quantos autores famosos também não suaram a camisa pra ganhar popularidade.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Rayanni K.
    10 meses ago

    Olá, infelizmente é a realidade de muitos autores iniciantes. As pessoas tem que correr atras dos seus sonhos, independente de qual seja ele.
    Todo o sucesso é fruto de trabalho árduo e muita dedicação, conheço muitos autores que publicaram um livro e não obtiveram nenhum sucesso, por não terem se dedicado ao máximo.
    Um beijo.

    • Oi, Rayanni. Existe espaço para todos. Eu já tive uma discussão ferrenha com um autor que ignorou os meus conselhos e depois choramingou em duas entrevistas que o mercado literário é ruim e que é um absurdo que o Brasil dê mais espaço para produções estrangeiras.
      Existe espaço para todos. Ou você gasta centenas de milhões para ser conhecido ou então seja muito criativo para cativar leitores.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • É, infelizmente o mercado editorial não está fácil e é necessário estar amparado por uma boa editora porque se não corre o risco de sair no prejuízo. Mas, eu ainda acredito que a gente deve lutar pelo que a gente quer, mesmo que no início seja difícil. E super apoio publicações independentes.
    A gente precisa parar de tentar achar culpados, ou até mesmo colocar a culpa em outras pessoas, e tentar encontrar alguma forma de divulgação, apoio na internet, qualquer coisa do tipo…
    Estamos na era cibérnetica, tudo está mais fácil.
    Não vamos desanimar. Vamos continuar escrevendo e procurar um solução para que as pessoas encontrem nossas obras (quando boas) e paguem o valor justo.
    Ótimo post.
    Abraço.

    • Oi, Thamires. Nunca foi tão fácil alcançar o reconhecimento cultural literário. Temos internet, redes sociais, maior espaço para apresentação, etc.
      Infelizmente, muitos têm certo desânimo e até mesmo preguiça para correr até tal patamar. Depende de cada um.
      É arregaçar as mangas e fazer acontecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: