PUBLICIDADE

Leo Vieira: A Praga da Baleia Azul

A polêmica está ganhando cada vez mais espaço no Brasil e nos demais países. Trata-se de um
sistema de encorajamento ao suicídio na forma de jogo com desafios progressivos, indo por
etapas. Essa estupidez tem esse nome porque a baleia quando encalha, se torna indefesa e
predestinada a uma morte lenta e solitária, a mesma situação em uma pessoa com mente
depressiva. Centenas de casos estão sob investigação em vários países (inclusive no Brasil),
causando profunda preocupação.
Nós que, graças a Deus temos mente sã e ocupada podemos nos sentir seguros de passar longe
disso, mas é nossa responsabilidade zelar pelo próximo, porque se cada um parar para observar
o comportamento depressivo suspeito de algum parente, vizinho, colega de trabalho, da escola,
da igreja, seja ele real ou virtual já é de grande importância.
Não pensem que depressão, esquizofrenia, ansiedade, paranóia, entre outros distúrbios e
síndromes são coisa de gente fraca e maluca. Pensem num carro mal conduzido no trânsito. Você
vai praguejar o motorista, mas mal pode imaginar que aquilo pode resultar num acidente que
irá afetar muitas pessoas ao redor.
E vocês, blogueiros e blogueiras, usem suas influências para propagar mensagens positivas e
de incentivo. Bons livros e textos para desenvolvimento moral e intelectual. Cada um fazendo
a sua parte, o mundo fica muito melhor.

Leo Vieira

Sou ESCRITOR (romances, contos, crônicas, composições musicais e roteiros [com filiações e reconhecimentos acadêmicos]), ATOR (teatro e dublagem [tenho DRT]), ILUSTRADOR (personagens próprios, quadrinhos independentes e desenho animado) e PRODUTOR CULTURAL (feiras literárias). Minha formação é teológica; atualmente estou estudando Letras, Jornalismo, Cinema e Marketing.

24 Comentários em “Leo Vieira: A Praga da Baleia Azul

  • Carolina Ramires
    5 meses ago

    Olá!
    Acho que esse jogo, por pior que seja, está nos trazendo um pouco de conhecimento sobre essa doença terrível que é a depressão. Muito importante a gente não tratar pessoas que sofrem disso com desprezo, porque é perigoso sim e pode matar, tanto que a prova está aí.
    Beijos.

    • Oi, Carol. Isso tem se tornado muito preocupante. Não sabemos o que se passa na cabeça de alguém com transtornos. Devemos estar atentos a ajudar, sem discriminar.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Depressão é uma doença. Muitas pessoas fazem uma ideia errada sobre ela, realmente dizem ser coisa de gente fraca ou acham bobeira, mas não é. É um assunto sério e que está sendo mais discutido ultimamente, inclusive por obras literárias que estão ajudando muitas pessoas.

    • Isso mesmo, Beatriz. É um sofrimento que abala a todos. Somente pessoas más que ficam indiferentes ao sofrimento alheio.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Olá
    Eu realmente não acho que depressão seja coisa de pessoas desocupadas ou de cabeça fraca, são doenças e estão muito mais propícios na era que vivemos, com a pressão da sociedade em exigir padrões sejam estéticos como sociais. Todos nós podemos cair nela, por isso é importante não tratar com descaso quem pode estar pedindo socorro de lábios calados.

    Beijos

    • Verdade, Andréa. Ninguém está imune disso. Nunca sabemos o que pode acontecer conosco ou com quem está perto a gente.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Olá, tudo bem? Esse jogo com certeza é uma praga. Não sabemos como é o psicológico das pessoas, e de como isso pode torna-se um gatilho e dos ENORMES. Devemos ficar atentos a nossas filhos, amigos, parentes que aparentam estarem estranhos e diferentes. ÓTIMA post de alerta!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

  • Oi Leo.
    Gostei da sua iniciativa de escrever esse texto porque ele é muito importante para que as pessoas se conscientizem do quanto, às vezes, uma palavra amiga pode ser determinante para a vida de uma pessoa.
    Abraços.

    • Obrigado, Maria! Triste saber que tem gente que não dá a mínima pra isso e caçoa dos que foram vítimas desse jogo insano. Como diz uma frase: “quem nunca foi ferido, zomba de cicatrizes”.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Olá! Tenho visto muitos comentários sobre o assunto e realmente não tem como não ficar chocado com o que está acontecendo. Muito boa sua iniciativa de trazer esse assunto ao blog. super bjooo

    • Obrigado, Lorena. Vamos todos virar agentes nessa grande causa. Não deixem os jovens se deixarem levar por essa maré perigosa.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Morgana Brunner
    5 meses ago

    É realmente impossível ão ficar mal e até mesmo triste vendo essa situação que a sociedade está se encontrando, creio que um dia isso irá parar, torço com muita fé, pois o mal está vindo dessa maneira e cada vez mais jovens caem. Ótimo texto.
    Abraços

  • Oie amore,
    Acho esse jogo ridículo, e até dei uma pesquisada nessa bizarrice pra entender o que se trata.
    Adorei seu texto e o incentivo a lançar mensagens de encorajamento, parabéns pela iniciativa.
    Não sei se conhece a iniciativa A Baleia Rosa – dá uma olhada: https://www.facebook.com/eusoubaleiarosa/?fref=ts
    Beijokas!

    • Oi, Grazi. Conheço sim e achei muito legal. Mas claro que cabe a cada um de nós ser uma baleia rosa na vida desses “peixinhos” sem rumo.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Olá, esse desafio da baleia azul tem mesmo sido bem preocupante, precisamos entender o assunto e pelo menos um pouco sobre a depressão para saber como lidar e evitar que mais jovens percam suas vidas assim.

    • Oi, Mari. É muito importante não deixar os jovem isolados. Procure saber o que está passando. Há uma frase que diz que “mente vazia, oficina do satanás”. Pessoas de mente isolada é capaz de tudo.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Olá!
    Realmente esse jogo é preocupante, principalmente com os dias de hoje, onde muitos pais quase nem param em casa, não conversam com seus filhos e nem sabem o que se passam com eles. Também me irrita a sociedade ignorante que acha que doenças como depressão, transtornos de ansiedades são bobeiras.
    Doenças como essas matam e a cada dia tem derrubado muitas pessoas e desestruturado muitas famílias.
    Confesso que por outro lado, alguns pais também deixam a desejar na criação de seus filhos e acham que só a escola que deve dar educação e aconselhamento e sabemos bem que não é por ai.
    Mas torço pra que os pais se conscientizem e que juntos com escolas, palestras, e órgãos competentes isso possa ser amenizado.
    Adorei sua abordagem!
    Beijos!

  • Oii, tudo bem?
    Infelizmente o que mais ouço as pessoas falarem sobre a baleia azul é que é algo para pessoas desocupadas, sem Deus no coração e bobagens do tipo… fico muito indignada com pessoas ignorantes assim, pois realmente não entendem como funciona a cabeça de quem tem depressão, sofre bullying, etc. Isso só me faz pensar que caso conheçam alguém que sofra dessas doenças, elas são seriam capazes de ajuda-las.
    Gostei do post, parabéns.

    • Oi, Paula. As pessoas precisam compreender que depressão não é frescura, nem coisa de gente fraca, etc. Depressão é um estado mental grave onde o afetado não sente absolutamente nada por nada. Ausência de amor, raiva, motivação e principalmente de interesse pela vida. Eu presenciei isso na família e tive um vizinho que tentou suicídio duas vezes, sendo que na segunda ele conseguiu, abalando toda a família.
      Beijos,
      Leo Vieira

  • Oi Leo, infelizmente, por mais que eu tente, não consigo entender como uma pessoa se deixa levar por estas ideias malucas. Com tanta coisa boa e útil para ser feito e ficam perdendo tempo com isso.
    Bjs

    • Oi, Rose. Acontece que uma pessoa com tenências depressivas fica muito frágil e persuasível, principalmente se o foco for a mutilação e fim a própria vida.
      Há alguns anos eu escrevi um romance que fala sobre manipulação mental e usa algumas crueldades. No lugar da baleia azul, é um fantoche azul.
      “Alecognição”, está completo no blog leovieiralivros.blogspot.com.br

      Beijos,
      Leo Vieira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: