PUBLICIDADE

[Divulgação] No Vale de Ossos Secos – Mike Sullivan

O ser humano está condenado a três verdades inescapáveis: Criar fantasias a respeito de um futuro incerto; correr atrás da felicidade, esquecendo de que ela é apenas um pote de ouro no final do arco-íris; e carregar o passado, algo que o acompanha feito sombra até à morte. Juntam-se a esta condenação três sentimentos inerentes à natureza humana: 1- A temida solidão; 2- A incompreendida angústia; e 3- A incontestável liberdade.
Ruy Dantas, um homem de cinquenta e poucos anos, vive sozinho num apartamento que passou a ser grande demais depois do fim de um casamento que perdurou por mais de vinte anos. Sua vida a essa altura passou a perder o sentido, como se nada a sua volta tivesse a profundidade necessária para dar razão à existência. Jornalista de formação, não consegue ver no trabalho a mesma motivação de tempos atrás quando pensou que seria um grande homem por meio das matérias que viria a produzir. Nessa época pensava em ser um intelectual, um homem que tivesse as respostas para todo o tipo de pergunta, um influente jornalista que poderia redigir textos e bonitas palavras carregadas de bom senso e da crítica aguçada que a carreira requer. Na contramão de todos os seus ideais começou com reportagens sobre esportes, depois com crimes de assassinatos e violência pela cidade e hoje, ironicamente, escreve apenas crônicas sobre o viver.

Num fim de tarde de uma sexta-feira, ao chegar em casa, Ruy Dantas, resolvera travar uma batalha existencial com sua própria mente, com seu ser, com sua essência. Buscava respostas e nos últimos dias vinha-se decepcionando com uma busca inútil e o aumento de questões pendentes só faziam de sua vida algo menor e deplorável. Queria era se esconder de tudo e de todos, buscar abrigo e refúgio num lugar deserto, numa praia paradisíaca. Levar seu corpo e sua mente para um silêncio que não os incomodasse, mas os beneficiasse com a oportunidade para pensar, refletir e conseguir se definir, voltar a se regozijar com o simples fato de existir.
E como se guiado por uma voz interior ele se vê diante do objetivo de realizar três tarefas inusitadas em apenas um fim de semana: visitar pacientes com câncer, ir a um templo religioso e entrar num cemitério. Ruy Dantas percebe que para recuperar o prazer pela vida e encontrar algum sentido para a existência deve ir de encontro àquilo que mais o assusta: a morte. E para isso é preciso ir até ela, mas sem ceder aos seus encantos. Era preciso ver a face da morte e aproximar-se de Deus. O que ele nem imagina é que cada tarefa tem uma ligação íntima com o seu passando o que mudará sua vida para sempre.

Fonte: autor M. Sullivan

Mike Sullivan é psicólogo, nasceu em 1979. Seu projeto literário consiste numa série de livros que abordem temas ligados à área da psicologia através de histórias, narrativas e dramas existenciais. Seu objetivo consiste em escrever de forma literária, utilizando personagens e vidas fictícias para abordar temas afetos ao viver e à existência humana.

Saiba mais: Perfil do Escritor
Blog do Escritor – O Absurdo em Palavras

Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: