PUBLICIDADE

[Resenha] A VERDADE SOBRE O CASO HARRY QUEBERT

A VERDADE SOBRE O CASO HARRY QUEBERT
Sinopse

Marcus Goldman viu sua vida se transformar radicalmente. Com apenas vinte e oito anos, publicou um livro que se tornou um best-seller e o alçou ao status de celebridade, com direito a um apartamento chique em Manhattan, um carrão, uma namorada estrela de TV e presenças constantes nos tapetes vermelhos, além de um contrato milionário para um novo romance. E então foi acometido pela doença dos escritores: a síndrome da página em branco. A poucos meses do prazo para a entrega do novo original, pressionado por seu editor e por seu agente, Marcus não consegue escrever nem uma linha sequer.
Na tentativa de superar seu bloqueio criativo, Marcus recorre a seu amigo e ex-professor Harry Quebert, um dos escritores mais respeitados dos Estados Unidos, que vive numa bela casa à beira-mar na pequenina cidade de Aurora, em New Hampshire. Às voltas com sua dificuldade em escrever, Marcus é surpreendido pela descoberta do corpo de uma jovem de quinze anos, Nola Kellergan — que desaparecera sem deixar rastros em 1975 —, enterrado no jardim de Harry, junto com o original do romance que o consagrou. Harry admite ter tido um caso com a garota e ter escrito o livro para ela, mas alega inocência no caso do assassinato.
Com a mídia inteira contra Harry, Marcus se lança numa investigação particular, seguindo uma trilha de pistas através dos livros de seu mentor, dos bosques, das praias e das áreas isoladas de New Hampshire em busca da história secreta dos cidadãos de Aurora e do homem que mais admira. Uma teia de segredos emerge, mas a verdade só virá à tona depois de uma longa e complexa jornada.
Para salvar Harry, sua carreira literária e a própria pele, Marcus precisa responder a três perguntas, todas misteriosamente conectadas: quem matou Nola Kellergan? O que aconteceu no verão de 1975? E como escrever um romance verdadeiramente bem-sucedido?

Minha Opinião

A verdade sobre o caso Harry Quebert conseguiu me prender do início ao fim. Jöel Dicker simplesmente criou uma história dentro de outra história. Um mistério que você fica ansioso em deslindar. Afinal de contas, quem matou Nola Kellergan?
E como em outros mistérios, descobri o assassino, só não sabia os motivos. Gente, se eu for contar aqui, vai sair spoiller até umas horas. O livro é bom, instigante, um pouco cansativo às vezes, pois se trata de uma narrativa do presente e do passado. Sobre o que aconteceu em 1975 e sobre o que acontece no presente, que para Jöel, ou melhor, Marcus Goldman, é em 2008. No livro, Jöel Dicker conta sobre uma doença que ataca muitos escritores. A crise das páginas em branco. Marcus Goldman se viu completamente sem inspiração após fazer sucesso com seu primeiro romance, ser o queridinho dos Estados Unidos na literatura. Com o contrato que havia assinado, às vésperas de acabar, e com a ameaça de ser processado, ele não havia entregado uma folha sequer ao seu editor.

Nem mesmo o convite para passar uns dias na casa de praia onde seu amigo e mestre, Harry Quebert, a quem atribuía tudo o que havia aprendido sobre escrever, ser um bom romancista, fez com que sua inspiração voltasse. Quando retornou a Nova York para assumir as consequências do processo que iria responder, recebeu uma notícia bombástica. Harry Quebert, seu professor, seu mentor, estava sendo acusado de assassinato. O crime acontecera em 1975. A vítima era Nola Kellergan, então com quinze anos de idade, uma menina por quem Harry havia se apaixonado. Para provar a inocência de Harry, Marcus dá início a uma investigação que coloca em risco sua vida. Pressionado pela ambição de seu editor, que viu naquela história uma mina de ouro, jorrando milhões e milhões de dólares, com negociações de vender os direitos para a indústria cinematográfica, e ainda com a promessa de esquecer o processo, sugeriu que o próprio Marcus escrevesse a história do caso Harry Quebert. De início ele não aceitou, mas foi o próprio Harry quem o incentivou a isso. Aos poucos, suas ideias foram surgindo, suas investigações avançando, mas algo sempre faltava para ele completar aquele quebra-cabeças que envolvia o misterioso crime.

De cara eu pensei que o mais óbvio era Harry Quebert haver realmente matado Nola e estava usando Marcus para provar sua “inocência”. Harry comete um crime sim. Ao final todos saberão.
Peguei-me pensando também que essa história é um tanto autobiográfica. Jöel Dicker, assim como seu personagem, fez sucesso em seu primeiro livro aos 28 anos de idade e hoje aos 31 anos, ele realmente é escritor, como diz em uma das passagens do livro. Os conselhos que Harry lhe dava.

“…- Vou lhe dar trinta e um conselhos. Eles serão dados ao longo dos próximos anos. Não direito todos ao mesmo tempo.
– Por que trinta e um?
– Porque trinta e um anos é uma idade importante. Os dez nos moldam como criança. Os vinte como adulto. Os trinta farão de você um homem, ou não. E trinta e um anos significa que você superou essas fases. Como se imagina com 31 anos?”

Não acredito que seja apenas uma coincidência, haja vista Jöel Dicker ter apenas 31 anos de idade e um gênio. Ele criou uma história dentro de uma história. Um livro dentro de outro livro. Ele nos leva a pensar que todas as personagens do livro são reais. Às vezes eu me confundia. Gente, é um livro genial. Adorei mesmo. Vale a pena ler.
Vi muitas críticas acerca dos diálogos infantis e sem profundidade da personagem Nola Kellergan. Cara, e a licença poética? O cerne da história se passa em 1975. Não achei diálogos fracos, achei bem diretos. E como não pensar nos conselhos que Harry dava a Marcus? Aquilo é real. Jöel Dicker conseguiu colocar no papel a síndrome que ataca os escritores e ao mesmo tempo, como reconhecer uma boa história e ir fundo nela, sair daquela zona que não estava na da confortável para ele.

Dados do livro
Formato: eBook Kindle
Tamanho do arquivo: 2092 KB
Número de páginas: 638 páginas
Editora: Intrínseca (9 de maio de 2014)
Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda
Idioma: Português
ASIN: B00JZQGQ9O

Sobre o autor

JOËL DICKERJOËL DICKER nasceu em Genebra, na Suíça, em 1985, filho de pai professor de francês e mãe bibliotecária. Seu primeiro romance, Les derniers jours de nos pères, que também será publicado pela Intrínseca, conta a pouco conhecida história de uma unidade do Serviço de Inteligência Britânico encarregada de treinar a resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e lhe rendeu, em 2010, o Prêmio dos Escritores de Genebra. A verdade sobre o caso Harry Quebert, seu segundo romance, publicado na França quando Joël tinha apenas vinte e sete anos, tornou-se rapidamente um best-seller mundial, alçando o autor ao posto de fenômeno literário. Fonte: Intrínseca

Edna Guedes

é formada em Direito e Turismo pela Universidade Católica de Pernambuco. Casada, nasceu aos 08 de maio, tem uma filha e mora em Recife. Sempre gostou de escrever, mas só agora resolveu tomar coragem e publicar os romances que sempre fizeram parte de seu imaginário.

49 Comentários em “[Resenha] A VERDADE SOBRE O CASO HARRY QUEBERT

  • Oi!
    Eu já li algumas resenhas desse livro, mas nenhuma tão empolgada! Confesse que até ler seu texto eu não estava muito curiosa com a história, mas agora quero muito ler, já adicionei à wishlist.
    Bjs!

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Taí. Gostei. Empolgada. Rsrsrsrsrsrsrsrs. Agora estou com um nacional. Em breve resenha.

  • Amo o gênero e fui lendo com a mesma vontade que vc teve de ler. 638 páginas para devorar é bom né? rs
    Dica anotada!
    Bjs

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Eu nem sei quantas páginas tem. Rsrsrsrsrsrsrsrs. Mas se a gente fizer as contas, 50 tons de cinza tem muito mais. Rsrsrsrsrsrsrsrs

  • Oie
    já me falaram muito bem desse livro mas não sei se leria por agora ainda amis sem tempo que estou mas muito legal a dica e sua resenha, adorei o enredo

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

  • Eu tenho esse livro, mas ainda não tive tempo de ler, mas sempre falam muito bem desse autor.

  • Gabrielly Gomes
    1 ano ago

    Olá,

    Eu amo livros assim! Entretanto não gosto de ebooks. Me interessei muito pela história, só de ler a resenha já penseiem mil possibilidades, rs. Parabéns pela resenha!

    Beijos,
    Gaby

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Eu não era muito fã de eBooks também, Gaby. Todavia, isso foi depois do Kindle. O ruim é que eu posso ir à falência. Rsrsrsrsrsrsrsrs

  • Morgana Brunner
    1 ano ago

    Oiii Edna, como vai?
    Confesso que logo quando o vi o lançamento da obra, achei a capa bem sem graça e não a leria e agora vocÊ trazendo essa resenha só despertou muito meu interesse e o quero mais que tu na minha estante, dica super anotada, além disso sua resenha está um arraso <3
    Beijinhos

  • Oi!!
    Eu vou confessar que desde que vi o lançamento desse livro ele não chamou a minha atenção por causa da capa, sei lá não consigo me sentir atraída pela capa rsrsrs. Mas agora que li a tua resenha eu até fiquei com vontade de conferir a história, gosto de mistérios, assassinatos, temáticas assim prendem a minha atenção.
    Beijão!

  • Ainda não tive a oportunidade de ler esse livro, mas me encanto ainda mais cada vez que leio uma resenha dele. Todos os elementos de bloqueio na escrita, os abutres que aparecem atrás de histórias que lhe rendam mais cifras e claro um crime a ser desvendado, são de encher os olhos e causam expectativas. Espero ler em breve.
    Bjim!
    Tammy

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Leia com o coração aberto. Eu só não gosto de um livro quando ele tem criações absurdas. Eokhaolha, nem isso.

  • Olá,
    Um ponto negativo, foram os diálogos entre Nola e Harry, achei bem antiquado e estava mais para uma novela mexicana do que para pessoas reais conversando. Também achei o livro pouco devagar e longo com personagens em excesso, acho que a história poderia ter sido menor e mais rápida.

    http://euinsisto.com.br/

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Ainnnn obrigada pelo carinho de todas vocês, meninas. Morgana a história é muito massa! Rsrsrsrsrsrsrsrs

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Respeito sua opinião, Debyh. Entendo o que você quer dizer. Os diálogos de Nola e Harry são típicos dos anos 70, além disso ela era uma menina. O que ela tinha de maturidade? Rsrsrsrsrsrsrsrs. No início eu cheguei a pensar isso, mas ao final, cheguei à conclusão que era necessário. É um livro dentro de outro. Para haver dinâmica, tinha que ser assim. Eram histórias paralelas. O que acontecia no livro e fora dele.Muito louco! Beijos.

  • Edna Guedes
    1 ano ago

    Déborah, seja fiel ao que você gosta. Eu não gosto de terror. Mas a história é massa! rsrsrsrsrsrsrsrs Beijos.

  • Déborah Araújo
    1 ano ago

    Edna, não conhecia o livro e pra ser bem sincera não gosto de mistério, é um gênero que não costumo ler, pois não me agrada mesmo, mas que bom que você gostou e que ele é cheio de reviravoltas.

  • Olá!
    Já tinha visto esse livro em alguns blogs, mas eu não sabia do que se tratava, adoro livros com mistérios e esse me chamou a atenção e essa coincidência aí, fantástica rsrs.. Gostei da sua resenha e quero conferir essa história em breve!

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br/

  • Aparentemente esse livro aborda uma pancada de temas que me interessam, começando pela pressão da editora em cima do autor. Eu, como pessoa-que-gosta-de-escrever, morro de medo de publicar um livro por conta disso. Sabemos que existem prazos e que a empresa vai cobrar, vai pressionar, etc etc etc e eu não consigo ver a escrita como uma coisa que deva ser cobrada. Inspiração é traiçoeira. Ela pode vir, como pode não vir e se for o segundo caso, como faz? Escreve qualquer coisa só pra ter algo pra entregar? A escrita não deveria ser encarada como produto… mas, né. É a vida.

    Outro ponto: o mistério por trás dessas páginas. Obviamente tô aqui imaginando que o cara roubou a história da menina e acabou com a vida dela, mas pelo visto não é isso que acontece, certo? Seria óbvio demais. Então, cá está a vontade de saber o que realmente aconteceu. Por último e menos relevante (mas ainda assim, importante): adorei a capa :3

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Nicole, não conto, não conto. Mas siga a trilha. Não é lá. Ou será? Rsrsrsrsrsrsrsrs Beijos

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Quanto ao seu comentário sobre escrever, penso da mesma forma. Não deve ser obrigação e sim prazer.

  • Quero muito ler esse livro. Já o vi inúmeras vezes e acho essa capa um máximo. E sua resenha só me animou mais kkkkk vou baixar no kobo pra dar uma conferida.
    http://www.belapsicose.com

  • Oi Edna, sua linda, tudo bem?
    Nossa, a impressão que eu tive é que ele realmente estava sendo usado por todos os lados, tanto por seu professor quando pela editora. E que ao investigar ele poderia se dar mal no final. Quero saber quem matou essa menina e que crime esse professor cometeu se não foi esse. Você me deixou bastante curiosa, dica anotada. Sua resenha ficou ótima.
    beijinhos.
    cila.

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Pois é. O que importa para o editor dele, é o dinheiro que ele pode trazer. E o crime, você nem imagina.

  • Kamila Villarreal
    1 ano ago

    Olá!

    Mas gente, que história maravilhosa! Não conhecia, mas com certeza vou procurar mais informações! Amo livros que nos fazem refletir…

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Até eu que adoro os livros diabéticos me apaixonei por esse.

  • OLá! Interessante essa premissa, amo um bom mistério e fiquei curiosa para saber quem é o assassino e suas motivações. E saber se a crise dos escritores passa depois de tudo isso. Beijos!

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Eu não digo! Eu não digo! Eu não digo!!! Mas eu descobri. rsrsrsrsrsrs

  • Tamara Padilha
    1 ano ago

    Oie, eu sempre ouvi falar bastante desse livro então fico bem curiosa com ele. Mas é enorme e sempre bate aquela preguicinha de ler, mas fiquei querendo descobrir o verdadeiro mistério e se harry assassinou ouu não assassinou. Sua resenha ficou intrigante.

  • Acredita que eu tinha esquecido deste livro? Lembro que na época do lançamento ele tinha me chamado atenção e até me interessado. Acabei deixando pra lá, um grande erro, pois sua resenha confirma que é um enredo envolvente e inteligente. Desta vez vou colocar na pilha de leituras para não esquecer de novo.
    Bjs!

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Fia do Céu! Pegue agora e comece a ler. É muito massa. rsrsrs

  • uau, ele é um baita calhamaço… mas fiquei curiosa com a narrativa em dois tempos, a questão da licença poética que você citou e o fato de ter um crime. amo livros assim… sem contar essa capa, me intrigou…
    sugestão anotada. espero ler e curtir o livro…
    bjs…

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Pois leia, que irá gostar. É tão real. Parece uma história cotidiana. Os diálogos são legais, fáceis, as dicas do mentor são maravilhosas. Amei Jöel Dicker.

  • Esse livro parece muito com Harlan Coben em Não conte a ninguém. Queria saber quem é o assassino da menina nessa teia de culpados! É uma pena ter livros em prioridade. Esse vai para wish.
    Ótima resenha.

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Vou anotar sua dica, Amanda. Adooooooro que minha curiosidade seja instigada.

  • Eu confesso que fiquei super curiosa.
    Adoro Záfon e ele tem a peculiaridade de contar uma história dentro de outra história.
    Vamos ver. E sabe Edna assim como aconteceu com O Advogado, esse também não me é estranho. rs
    Bjs sua linda!

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Não acredito que você também tem Jöel Dicker aí também? Ah, não. Tem que ler. Muito doido. Eu adorei.

  • Eu não conhecia a obra, mas confesso que já fiquei interessada, pois me parece um ótimo mistério. Fiquei fascinada com essa ideia de uma história dentro da outra história. Esse é bem o tipo de livro que me prende.

    Tatiana

  • Olá!
    Achei a premissa desse livro incrível! Gosto de livros dentro de livros e acho que torna tudo mais instigante.
    Também acho que não é só coincidência a idade do autor…
    Fiquei curiosa para saber quem de fato matou a menina e que fim teve ele e o mentor dele.
    Ótima resenha!
    Dica anotada!
    Beijos!

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Oi, Jess.

      Esse livro parece comigo. Doidinho! hehehehehe Você irá gostar. Aposto nisso.

  • Morgana Brunner
    1 ano ago

    Oiii, como vai?
    Confesso que me senti prendida ao livro, achei essa história fascinante, fiquei louquinha para saber quem realmente matou a menina e o porque, e todos esse envolvimento com paixões sempre deixam um grande suspense no ar.
    Adorei a dica, super anotada mesmo.
    Beijinhos

    • Edna Guedes
      1 ano ago

      Eu mudei muito de opinião. Achei que Harry Quebert tinha culpa no cartório. E ele tem, mas não é o que eu estava pensando. É cheio de reviravoltas. Muito massa!

  • Edna Guedes
    1 ano ago

    Olá, Books!

    Eu adoro romances românticos, melosos, dramáticos, açucarados, praticamente diabéticos. Entretanto, confesso q adoro desvendar um crime.

  • Oiii,
    Sua resenha está muito boa como sempre antes de tudo, bom quanto ao livro infelizmente ele não me atraiu tanto, nunca consegui completar uma leitura do gênero, e olha que tentei viu, mas acho que não e para mim, mas quem bom que ele conseguiu lhe prender, adoro quando isso acontece.

    Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga - me