PUBLICIDADE

Resenha – Deixa ela entrar – John Ajvide Lindqvist

SBN-13: 9788525052216
ISBN-10: 8525052213
Ano: 2013 / Páginas: 504
Idioma: português
Editora: Globo Livros

Sinopse


Exibido pela primeira vez no Brasil na 33ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em 2009, o filme sueco Deixa Ela Entrar é um fenômeno cult. Conquistou prêmios em mais de 40 festivais pelo mundo e foi refilmado por Hollywood. Concebida por John Ajvide Lindqvist, a história que deu origem ao filme foi publicada em 2004 na Suécia, onde se tornou best-seller instantâneo, lançada em mais de 30 países. Trata-se de uma das mais perturbadoras ficções de terror dos últimos tempos. Grande parte de seu impacto se deve à originalidade com que Lindqvist aborda a seara do vampirismo. Vários elementos dessa literatura estão presentes – a começar pelo título que faz referência à crendice de que vampiros só podem entrar em lugares para os quais são convidados -, porém ambientados no mais cru realismo. No enredo, Oskar, um garoto de doze anos, vive com a mãe no subúrbio de Estocolmo, na década de 1980. Solitário e alvo de bullying na escola, passa o tempo lendo e colecionando notícias sobre serial killers e planejando se vingar de seus perseguidores. No entanto sua rotina é alterada quando uma garota de doze anos, Eli, se muda para o apartamento ao lado. Uma profunda identificação aproxima o menino a Eli, ao mesmo tempo em que a vizinhança passa a ser assolada por uma onda de mortes misteriosas. Muito mais que sustos, o livro de Lindqvist desperta os horrores de quem tem de passar da infância para a maturidade em circunstâncias adversas e em um cenário opressivo. Com habilidade, o autor recorre a um registro naturalista, temperado de referências à cultura pop, para desenvolver uma história em que os medos são despertados tanto por elementos sobrenaturais quanto pela realidade concreta. 

Literandos a sinopse já diz tudo, deixa bem claro que nem sempre a crueldade acontece por forças sobrenaturais, o ser monstruoso pode estar em cada um de nós.

Além de falar sobre vampiros, o livro nos desperta a uma realidade que até hoje é sempre comentada com indignação, porém quase nada foi feito a não ser dar nomes para se criarem projetos que só ficam no papel e/ou lembrados em épocas de eleição.

Por que estou dizendo isso; porque o livro relata o horror de ser sempre o alvo de brincadeiras maliciosas, perseguido, machucado tanto físico como emocionalmente… o chamado “bullyng” atualmente. Essa era a vida de Oskar, sem contar com um pai alcoólatra e uma mãe que precisa trabalhar o tempo todo para o sustento da casa.

Se Oskar tem um “amigo” é Tommy, que se enveredou pelo mundo das drogas e com problemas familiares também , uma mãe que faz a famosa “vista grossa” viuva se apega a um policial, um pouco temperamental… Mas a amizade de Tommy e Oskar se dá somente pela delinquência.

Eli é seu melhor amigo, uma criança e um vampiro ,as diferenças e afinidades os levaram ao amor, seja sobrenatural e homossexual, não importa existia algo concreto entre os dois, além de confiança.

E por fim ainda nos relata de uma forma que enoja, choca, horroriza cenas de pedofilia…

Contudo temos os personagens secundários, senhores de uma cidade pequena, com suas solidariedades e entendimentos.

O livro é bárbaro vale ler! 

Uma coisa que achei interessante e irônico é que para um vampiro entrar na sua casa pra te fazer mal  ele tem que ser convidado.
Aí fiquei pensando será que de alguma forma não fazemos isso, ao fechar os olhos a todos esses nomes dados a maldade?

Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

15 Comentários em “Resenha – Deixa ela entrar – John Ajvide Lindqvist

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: