PUBLICIDADE

Resenha – Fábrica de Vespas – Iain Banks


Olá pessoal!
Hoje trago a minha experiência de quem entrou em um ninho de vespas e saiu com muitas picadas, além de ter fritado algumas em sua própria Fábrica de Vespas. (difícil resenhar este livro e ainda não sei o quanto gostei) rs

SINOPSE: Narrado em primeira pessoa, sob o ponto de vista de Frank, a estreia literária do autor escocês Iain Banks polarizou a crítica e os leitores quando foi publicada pela primeira vez, em 1984. Sua obra foi tão aclamada quanto criticada, devido à sua macabra descrição da violência. Livro que evoca tanto O Senhor das Moscas (1954) como o Precisamos Falar sobre Kevin (2003), FÁBRICA DE VESPAS consegue produzir um olhar ao mesmo tempo bizarro, imaginativo, perturbador e repleto de humor negro do que se passa dentro da mente de uma criança psicopata.

O que faz esse livro ser tão bacana é o final. O final faz com que você queira voltar a ler para poder estudar os fatos narrados pelo protagonista, faz com que queira estudar essa personalidade psicótica e aí meu amigo… as picadas começam a inflamar.

Antes de saber o final segui minha leitura tranquilamente ouvindo os relatos de Frank de sua rotina diária que consiste em andar pela ilha matando animais como ratos, pássaros arrancando -lhes a cabeça para servir de espantalhos como proteção para seu abrigo, quase sempre ele está em guerra. Ele já matou três pessoas, duas do sexo masculino e uma do sexo feminino para equilibrar ( agora ele não mata mais pessoas, era só uma fase por qual tinha passado).

Frank é muito metódico tudo segue um ritual quase que sagrado, cuidar do abrigo, da fábrica, tomar banho. Todos os lugares da ilha são nomeados de acordo com os acontecimentos ali ocorridos como exemplo “Parque das Serpentes” nomeado assim quando a cobra picou o coto da perna de seu primo e assim por diante…

Com exceção de James (seu único amigo) e de seu pai ele não fala com mais ninguém, na verdade Frank nem existe legalmente, nunca foi registrado.

Angus é descrito como um pai excêntrico, com TOCs, misterioso e que esconde um segredo no escritório, o único lugar da casa que Frank ainda não tinha conseguido entrar, mas ele vigia  e um dia o pai ia cometer um deslize, ttssss!

Bem, o enredo já começa anunciando a vinda de seu irmão Eric ( se é que ele existe na realidade) rá, que fugiu de uma clínica psiquiátrica e está a caminho e isso faz com que Frank comece a relembrar alguns fatos do passado como as três pessoas que ele matou, o acidente que o deixou com aquele defeito, a mãe, o pai vestindo o Eric de mulher. Vamos conhecendo suas opiniões a respeito de políticas, das mulheres enfim, aos poucos as coisas vão se encaixando até que você se depara com o final e por causa dele eu mudei toda minha opinião enquanto lia, pois cheguei a achar o livro chato, não entendia onde o autor queria chegar e cheguei a conclusão que para cada leitor a história dirá coisas diferentes ( levando em conta que nosso narrador não deve ser considerado confiável, devido a seus sérios problemas mentais) e que todo livro pode ser subentendido eu saí dela com várias teorias e sem dar maiores explicações para não cometer spoilers, mas quem leu talvez me entenda. rs Uma delas eu já disse mais acima é que Eric não é real, tento pensar nos telefonemas, nos cachorros e principalmente o velho Saul que se encontra no “santuário”. E as atrocidades do Eric com os cachorros combinam mais com o histórico do acidente de Frank.

Cheguei até ter pena de Frank e sua vida extremamente solitária, por ele só ter como conhecimento de tudo no mundo o que foi lhe ensinado pelo pai, mesmo que lesse e assistisse televisão.

Essa história vai bem mais além de um psicopata em formação e para mim bem menos chocante que “Precisamos falar sobre o Kevin” no livro de Lionel Shriver temos uma narradora totalmente  consciente dos fatos e em busca de respostas reais, expondo seus mais profundo sentimentos. Aqui neste livro você não tem certeza do que realmente é fato ou uma realidade distorcida mas se quiser sentir um ttsss no seu cérebro leia Fábrica de Vespas.

Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

14 Comentários em “Resenha – Fábrica de Vespas – Iain Banks

  • Olá, ainda não tinha lido nenhuma resenha sobre essa obra. Adoro o tema e quero muito conferir. Li ‘Precisamos falar sobre o Kevin’ e adorei…mas já vou ficar preparada para não esperar algo muito chocante mesmo.

    Abraços

  • Olá! Tenho muita curiosidade em ler esse livro. Gostei bastante da sua resenha. A temática é realmente muito interesse, vale muito a pena. E a Editora sempre arrasando na produção, bjo

  • Oi, tudo bem?
    Esses finais que nos fazem querer ler tudo de novo acabam comigo hahahah!
    Bem interessante o livro!
    Bjs

  • Olá, tudo bem? Acho essa edição arrasadora da Darkside, mas confesso que essas temas terror/psicopatas ou algo parecido sempre me faz andar pra trás. Não sou muito fã mesmo então fica difícil algo assim me captar. Mas seu texto está bem organizado e adorei. De fato livros que mexem com a gente, fica muito confuso opinar ou o que sentir. Que pena que ele foi mais “fraco” que Precisamos Falar Sobre o Kevin, o que também ainda não li. Mas isso mostra o quão crítica você conseguiu ser. Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

  • Olá,

    Não tinha vista nada sobre esse livro, achei interessante a sinopse e sua resenha muito me agradou.
    Vou colocá-lo na minha lista já!

  • Oi Marcia, tudo bem?
    Já conheço o livro e a sinopse é interessante, mas só depois de ler sua resenha que vi o quanto p livro é bom e instigante. Não sou fã d gênero, mas gosto de ler de vez em quando, para sair um pouco da zona de conforto! Dica anotada e espero ler em breve!

  • Eu assisti e li “Precisamos falar sobre Kevin” e inclusive resenhei ele em alguns trabalhos da faculdade. Não tinha ouvido falar desse livro, e fiquei muito intrigada e curiosa, e já entrou na minha lista. E eu como uma estudande de psicologia, já fiquei a mil né hahaha obrigada pela indicação! Amei o blog! bjs

  • Oi!
    Esse não é o tipo de livro que eu leio normalmente mas fiquei bastante intrigada com a trama e o protagonista que apesar da vida simplória parece bem bem complexo. A questão do leitor não saber o que é ou não realidade me deixou meio indecisa quanto realizar ou não, mas a curiosidade em saber o desfecho venceu haha.
    Beijos!

  • Entre Páginas e Muitas Histórias
    4 meses ago

    Olá !

    Eu não conhecia este livro. Infelizmente, ele não me atraiu. Achei bem complicado o contexto. Acho que se eu fosse lê-lo ia entrar, em parafuso. Desta vez deixarei passar a dica.

    Bjs

  • Olá Marcia, tudo bem?
    Menina que linda a sua resenha. Deu para ver que esse livro te pegou de jeit hein?
    Que bom que voc~e curtiu.
    O livro é realmente muito interessante e certamente uma leitura que eu faria, no entanto, em outro momento. Vou anotar a sua dica.
    Parabéns!

  • Oi Márica, realmente não dá para conhecer o mundo apenas pela Tv ou por ler, é preciso viver o mundo, também ficaria com pena dele, mas enfim. Este livro não tem me empolgado muito, por isso ainda estou passando a dica dele.
    Bjs

  • Oie amore,
    Não conhecia o livro e pra ser sincera não me atrai pela leitura não.
    Passo a dica dessa vez!
    Beijokas!

  • Morgana Brunner
    4 meses ago

    Oiii Marcia, eu tenho tanta vontade de ler esse livro que você nem imagina, acho que tudo que envolva a Darkside nós queremos né hauahauahauhaua fiquei bem curiosa no quesito de saber se é real ou mera ficção isso sempre me deixa bem animada e curiosa.
    Beijinhos

  • Olá tudo bem?
    Achei o livro bem interessante e me chamou muita atenção! No entanto fiquei preocupada com o que você disse sobre não sabermos o que é real e o que é ficção e isso me lembrou a obra de A Menina Submersa que foi bem criticada por esse motivo, aí me surgiu a dúvida se leria ou não. Eis que então você diz que o final é o que te fez mudar de uma opinião negativa para uma positiva e aí eu fiquei intrigada. Adoro histórias com psicopatas e quando você disse que acha que Erick pode não ser real acendeu uma luzinha em mim, me estimulando a ler a obra. Acho que vou dar uma chance sim.

    beijinhos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: