PUBLICIDADE

[ Resenha ] O Triste Amor de Augusto Ramonet – Paulo Stucchi

Edição: 1
Editora: Editora Schoba
ISBN: 9788580131147
Ano: 2012
Páginas: 448
Sinopse:Não suportando conviver com a culpa pela morte precoce da esposa Eva, o jovem escritor César Martinelli está determinado a dar cabo da própria vida afogando-se no mar da deserta Praia do Santo. Contudo, seus planos mudam quando ele encontra acidentalmente um manuscrito pertencente a um escritor chileno chamado Augusto Ramonet que narra uma história de amor marcada pela obsessão, drama e reviravoltas num Chile que convive com a crise do final do governo de Salvador Allende e o golpe de Augusto Pinochet. Além de tentar solucionar o mistério do manuscrito, César ainda se vê às voltas com uma misteriosa mulher ruiva chamada Catarina que, de algum modo, parece ter relação com o passado de Ramonet e com o manuscrito. Agora, o escritor deve descobrir o que está por trás da história do manuscrito de Ramonet, desvendar quem é Catarina e, de algum modo, encontrar paz para seu próprio espírito. O Triste Amor de Augusto Ramonet tece uma complexa história de amor, na qual são abordados temas ligados às paixões humanas, perdas e redenção por meio da paz interior, usando como cenário o conturbado momento histórico do Chile na segunda metade da década de 60, e o espírito de um jovem escritor atormentado pela culpa.


Antes de continuar quero deixar registrado meu agradecimento a Editora Schoba que me enviou o exemplar de cortesia e ao escritor Paulo Stucchi por ter autografado. Muito Obrigada.
O triste amor de Ramonet me saciou prazerosamente como leitora e me fez refletir em muitos sentimentos e situações contido nele. Com a pretensão de suicídio César chega a Praia do Santo, enquanto tenta criar coragem para o seu intento, se entrega ao álcool, drogas, sexo, enfim… entra em total degradação.
No dia que consegue ir em frente com o plano, ele encontra o manuscrito de Ramonet e de uma forma misteriosa e perturbadora conhece Catarina.
Catarina bate todas as noites na porta do seu apartamento e o possui de uma forma sobrenatural, ele não consegue resistir a ela e depois ele não se lembra como e quando ela foi embora.

Só sente que se renova a cada noite de sexo e passa mal se tenta afastá-la. Se tornou uma obsessão, uma necessidade estar com ela.
Agenor um senhor de 80 anos e o único amigo que fez no local tenta ajudá-lo e parece saber do que se trata. É um senhor humilde, mas dotado de muita sabedoria e lhe disse uma vez que: “Nem sempre só porque você pode ouvir, ver ou tocar é a realidade.” E estava muito preocupado com tudo que estava acontecendo com César.
Instigado pela (curiosidade) César resolve investigar a vida de Ramonet e desvendar o mistério do manuscrito reescrevê-lo e editá-lo acrescentando fatos adquiridos com a investigação.
Augusto Ramonet um homem um pouco tímido, idealista e apaixonado pelas letras, escritor renomado, colunista político de um grande jornal e palestrante.

Foi em uma de suas palestras que conheceu Catalina Alvarenga, uma moça bem mais jovem que ele, rica e extremamente bonita.

Que exerceu sobre ele um grande fascínio e uma agradável surpresa por saber que ela partilhava a mesma opinião a respeito do socialismo, mesmo sendo de família aristocrática.
E foi no Chile do socialista Salvador Allende que o amor dos dois o (torna) o homem mais feliz, porém, Catalina entre um amante e outro, buscando talvez o prazer carnal que Ramonet não podia lhe dar, se casa, cai Allende, começa o governo de Pinochet e o sofrimento de Ramonet.
Já exilado aqui no Brasil, jamais esqueceu Catalina, nunca acharam seu corpo e muito provavelmente o manuscrito fora deixado como um testamento, um legado da única coisa que ele tinha, um triste amor. E César ao reescrevê-lo libertou a si e porque não Ramonet? Afinal “há mais coisas entre o céu e à terra do que julga nossa vã filosofia”.
O livro tem uma linguagem de fácil entendimento, mesmo tendo relatos políticos da época e a história sendo complexa, a narrativa é carregada de exatidão e rica em detalhes sem ser cansativa, muitas vezes eu tinha dúvida se queria pegar o livro pra saber o final que o casal teria ou se pra saber das torturas criminosas infligidas por Pinochet.
O autor nos faz refletir sobre amor, perdas, sociedade, espiritualidade e depressão. São duas histórias de amor, sem o “viveram felizes para sempre”. Não é assim na realidade?

Com certeza recomendo a leitura!PAULO STUCCHI DE CARVALHO
Natural de Itu, São Paulo. É jornalista, escritor, assessor de imprensa, editor da revista DESKTOP e professor de Jornalismo. Formado pela Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho (UNESP), é autor de “O Natal sem mamãe”, “A fonte”“O triste amor de Augusto Romanet”, que fora lançado no primeiro trimestre de 2012. Stucchi honra o nome de sua cidade e mostra em seu terceiro romance que é um grande autor. Esta preparando para 2013 o quarto romance “Menina”, que está no prelo pela Editora Schoba.

Quer saber mais sobre o autor e suas obras acesse:Site pessoal – Paulo Stucchi

Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

12 Comentários em “[ Resenha ] O Triste Amor de Augusto Ramonet – Paulo Stucchi

  • Oi so pelo nome estou vendo q vou chorar 🙁
    nao gosto de livros q me fazem chorar, prefiro os alegres 🙂
    Q sao bem melhores 😀
    Bjs,

    http://www.resenhasteen.blogspot.com

  • Olá Márcia, tem outro selo para você no meu blog: http://ser-escritora.blogspot.com.br/2012/12/selos-6-e-7.html

    beijooos

  • Qualquer livro que nos toque ao ponto de nos fazer compreender qual a verdadeira mensagem dele e aplicar isso nas nossas vidas, é um livro que merece um zelo.
    A forma como você retratou a história, foi bem mais pessoal do que o costume em resenhas… Isso é divino!
    Nunca perca isso, amiga; esse seu jeito maravilhoso de interpretar os sonhos dos outros.

    bjus

    terradecarol.blogspot.com

  • Adorei sua resenha. Livros brasileiros estão conquistando cada vez mais um espeço na minha estante. Acho que esse merece estar lá, rs,

    beijos,

    Juliana,
    http://ser-escritora.blogspot.com.br

  • Obrigada Nanda e acho que vc ia gostar muito, pois o romance entre Catalina e Ramonet tem como pano de fundo O Chile no período mais marcante da história: "A queda de Allende e ascensão de Pinochet" quem já já sabe se envolve, quem não sabe aprende, este livro também se tornou um dos meus favoritos de 2012.
    Bjs

  • Ótima resenha, mais um livro que fiquei com vontade de ler! Legal que a história ocorre em um período marcante, dando detalhes ao leitor, não deixa de ser uma maneira de estudar história, coisa que gosto muito. Parece ser uma leitura fascinante, com certeza está na minha lista (que é enorme por sinal…rsrsrs).

    Beijos!

  • Ótimo livro, pelo que me parece, Marcia. Sempre que venho aqui adiciono mais um livro à minha meta de leitura. Esse blog é encantador. Parabéns.
    Kaio
    diadeleitor.blogspot.com

  • Parece um livro emocionante 🙂

    Bjs
    Jéssica

Trackbacks & Pings

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga - me