PUBLICIDADE

[Resenha] Paisagem interior – Marcos Vinícius Almeida


Paisagem interior
Marcos Vinícius Almeida
Por Annita Costa Malufe

Este conjunto de contos parece contradizer certas ideias frequentes em nosso tempo: todas as histórias já foram contadas, não há mais espaço para se narrar, estamos fadados a narrativas fragmentadas, a fatos que perderam qualquer sentido comunitário (como primeiramente previu, talvez, Walter Benjamin)… Ainda bem que, vez por outra, alguns escritores não se conformam com isso e retomam o hábito ancestral da narrativa, devolvendo-nos, renovado, o prazer da simples escuta de uma história.

No caso dos narradores deste Paisagem interior, a proximidade do tom do contador de causos: figura típica dos interiores de nosso país, sobretudo de Minas Gerais, de onde vem o autor. O contar por contar, pelo mero prazer de desenrolar uma história, muitas vezes apelando a detalhes insignificantes, seguindo sempre o andamento da fala. A oralidade se faz forte nessa escrita, e o leitor se põe de fato a ouvir o texto, que se transforma em um fluxo oral extremamente fluente e bem construído – muitas vezes a partir de um competente uso do discurso indireto livre.

Tal traço não indica, contudo, um parentesco direto com Guimarães Rosa. Ao contrário, mais próximo de escritas como as de Thomas Bernhard, William Faulkner ou Antonio Tabucchi (autores em que a oralidade assume a frente), os contos de Marcos Vinícius Almeida são povoados de narradores e personagens urbanos, moradores das pequenas (quando não minúsculas) cidades brasileiras, e que nos são revelados com uma linguagem direta, extremamente contemporânea, sem pretensos regionalismos atualizados ou mimetismos roseanos.

Vale observar que a Paisagem interior, aqui, poderia ser também a do interior, do Brasil, para além de uma remissão mais imediata ao íntimo, dos personagens ou do próprio autor. Interessante é notar que o título bem expressa o movimento presente nas narrativas: os lugares por elas trazidos, mais do que simples cenários externos, são reveladores de qualquer coisa de interior, de interno, aos personagens.

Esse jogo entre paisagens interior e exterior, do espelhamento mútuo entre dentro e fora – que nos lembra o poeta Fernando Pessoa e sua teoria da sensação – faz a riqueza desses pequenos causos, em que uma aparente mera descrição de uma tempestade, de um jogo de futebol ou de um corpo morto de um homem sendo salvo por outro, é carregada de afetos e reflexões existenciais. Tudo com muita sobriedade e às vezes humor. É através de imagens muito concretas e sensoriais que somos levados ao interior das personagens, que pode ser, no limite, o interior de nós mesmos, leitores.

Seria impossível falar desses contos sem notar, como insistia Júlio Cortázar, a proximidade entre os gêneros conto e poesia. Para além do ritmo certeiro, a sutileza e atenção sensível às minúcias fazem não somente a riqueza, mas também a maturidade do olhar do autor, que embora tenha reunido pela primeira vez seus contos em um livro, está longe de poder ser considerado um estreante.

Livro de contos explora paisagens de Minas
Com uma linguagem com forte lastro na oralidade, mineiro Marcos Vinícius Almeida joga com as ambiguidades do interior

Um carro de boi, casinhas de alpendre, portas destrancadas e meia dúzia de aposentados jogado dama na pracinha, ao redor de um coreto. São essas imagens que veem à nossa cabeça, quando pensamos nas inúmeras cidades do interior de Minas Gerais. Estereótipo de uma vida tranquila, é nessa paisagem bucólica que pensamos, ao dizer – cansados do trânsito e da vida dura das grandes cidades – que vamos mudar para o interior, em busca de paz e sossego.
Mas os seis contos que compõem o livro Paisagem Interior (Editora Penalux, 2017, 110 páginas), afaste-se desses lugares-comuns. O interior retratado na obra é hostil e complexo, e foge muito do paraíso bucólico dos anúncios turísticos. Talvez porque esse interior, como uma espécie de paraíso perdido, não exista mais. Nem na realidade, nem nos livros.

Interior na Literatura Brasileira
Não é preciso ir muito longe. Mesmo uma pesquisa mais superficial sobre a ficção contemporânea publicada nos últimos anos, certamente revelaria que a grande maioria das personagens e espaços representados na nova Literatura Brasileira está restrita ao universo das metrópoles e dos grandes centros urbanos. O interior, em certa medida, quase que desapareceu da literatura.
O motivo disso talvez seja a própria dinâmica da realidade. O crescimento das cidades, a formação das megalópoles. Mas, apesar disso, ainda resiste um núcleo contraditório, um espaço ao mesmo tempo arcaico e moderno, que subsiste espalhado pelo país. É desse universo em ruínas que a coletânea de contos Paisagem Interior se nutre. De partida, esse é um dos méritos do livro.
“A ficção de Marcos Vinícius Almeida atinge seus pontos mais altos justamente quando mergulha nesses interiores periféricos e despedaçados”, afirma o escritor e doutor em Teoria Literária pela PUCRS, Luís Roberto Amabile, que assina o posfácio. “Embora inspirado em mestres como Luiz Vilela e Oswaldo França Jr., o Marcos tem uma voz muito própria e seus contos são muito bem arquitetados”.
O interior que o livro revela – sempre num jogo de ambiguidade entre interno e externo, pois o interior aqui pode ser o íntimo das personagens, mas também a paisagem interiorana – escapada da visão romantizada desses espaços onde a classe média costuma ir visitar os avós. É um universo duro, contra o qual as personagens se debatem.
“Interessante é notar que o título bem expressa o movimento presente nas narrativas”, explica a poeta e professora do programa de pós-graduação em Literatura e Crítica, da PUCSP, Annita Costa Malufe, “os lugares por elas trazidos, mais do que simples cenários externos, são reveladores de qualquer coisa de interior, de interno, aos personagens.”

Marcos Vinícius Almeida é jornalista e faz mestrado em Literatura. Ele nasceu em Taboão da Serra, na grande São Paulo, mas cresceu e se criou em Luminárias, uma cidade de cerca de seis mil habitantes, que fica no sul de Minas Gerais.

É dessa vivência no interior que vem parte da inspiração das personagens. “Eu sempre me senti meio deslocado lá. É uma coisa meio ambígua. Quando criança, uns amigos sempre diziam: ‘você não é daqui’. E não era mesmo. De certa forma, nunca fui completamente integrado. Ao contrário deles, cujas famílias eram gigantescas, com avós, pencas de primos, meu núcleo familiar sempre foi restrito à minha casa”, diz o escritor, que hoje vive na capital paulista.

“Mas também só fui conhecer a cidade que nasci, Taboão da Serra, já beirando os trinta. O que sempre me deixou numa posição de estrangeiro desterrado, sem lugar de origem. Talvez daí venha uma sensação de olhar as coisas sempre à certa distância. E talvez por isso me sinta mais ou menos bem em São Paulo. Todo mundo em São Paulo tem um pé, um antepassado, uma raizinha que seja, que escapou de outro lugar”.

O lançamento do livro acontece em São Paulo, na Livraria Patuscada, em Pinheiros, no dia 18 de agosto, a partir das 19hs. E também em Luminárias, no interior de Minas, na Casa da Cultura, no dia 20 de agosto, a partir das 17hs.

Ficha Técnica

Título: “Paisagem interior”, contos
Editora: Penalux
Autor: Marcos Vinícius Almeida
Páginas: 110 páginas,
Preço: R$ 35
Disponível em:
https://www.editorapenalux.com.br/loja/product_info.php?products_id=600

Marcia Lopes

Paulistana, bookaholic. Louca por livros de terror,Thriller psicológico, policial, jurídico... Mas não dispensa um bom romance. Também apaixonada por filmes e séries.

15 Comentários em “[Resenha] Paisagem interior – Marcos Vinícius Almeida

  • Olá! Amei sua escrita, sério. Da vontade de passear no interior de Minas por meio desses contos. Gosto muito de recursos de oralidade no texto, nos aproxima do autor e da realidade descrita por ele. Desejo sucesso no lançamento do livro.
    Bjs.

  • Grazi Souza
    2 meses ago

    Não parece meu tipo de literatura, mas lembro de um professor meu falando sobre essa perda dos contos na oralidade, do contar só para agradar. Realmente, uma parte de nossa cultura se vai assim.
    Boa dica, afinal.

  • Ana Paula Lima
    2 meses ago

    Oiii!

    Primeiramente: que resenha linda!!! Eu gosto de livros de contos, porém, não leio tantos… Preciso muito mudar isso… Gostei bastante da sua resenha, que está muito bem escrita e me deixou muito curiosa para conhecer a escrita do autor.
    Dica anotada

    Beijinhos,

  • Kamila Villarreal
    2 meses ago

    Olá!

    Gente, não conhecia mas adorei o livro! Ainda mais se passando no nosso pais, a chance de nos identificarmos com os personagens é maior. Adorei!

  • Olá, tudo bem?

    Particularmente achei a capa muito interessante e me chamou atenção ainda mais se tratar de contos.

    Não conhecia o autor nem a obra, mas fiquei completamente curiosa para conhecer de perto este trabalho.

    Abraços, Amanda M.

  • Olá!
    Não conhecia a obra, mas depois de ler a sua resenha fiquei super curiosa para ler!! Vou adicionar à minha lista de leituras! Obrigada pela dica
    Beijos

    a-lilianaraquel.blogspot.com

  • Ana Paula Medeiros
    2 meses ago

    Oi! Adoro contos e saber que através dessa leitura é possível conhecer um pouco mais sobre as paisagens de um lugar me deixa mais animada ainda em ler.
    Não conhecia o autor, mas a dica já está anotada aqui 😉
    Beijo!

  • Que resenha perfeita. O título já chamou minha atenção. eu aprecio leitura de contos e com tantos elementos marcantes, como a própria aproximação com a poesia e o existencialismo do ‘interior’, que habita os personagens, fugindo do teor caricato e se apoiando em referências literárias para criar, parece uma leitura ímpar.

  • Olá, eu não conhecia o livro, mas já pela capa ele me chamou atenção. Achei uma obra bem interessante e fiquei curiosa com a leitura. Gostei de conhecer um pouco sobre o trabalho do autor através da sua postagem.

  • Não conhecia o autor ou sua obra, mas acho interessante que seja ambientado dessa forma, em contos, e no estado de Minas Gerais.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

  • Oiee, tudo bem? Não conhecia esse livro, mas achei bem interessante a sua resenha e fiquei com vontade de ler ele! Lançamento em SP dia 18, perto de casa vou tentar dar uma passada lá e já aproveito para comprar esse livro 🙂

    Beijos.

  • OI, tudo bem?
    Não conhecia o livro e nem o autor, provavelmente eu não leria, mas é bem interessante.
    Bjs

  • Olá Márcia, tudo bem?

    Não conhecia o livro, mas menina que lindo ne?
    Amo livros de contos e esse de paisagens acredito ser capaz de nos fazer ver e sentir os ambientes descritos. Um enredo bem diferente de tudo que eu já li. Amei a sua dica.
    Beijos

  • Olá, tudo bem? Não conhecia o livro nem o autor, mas adorei conhecer e gostei de saber que é um livro de contos, pois adoro esse tipo de leitura. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

  • Olá, Márcia! Tudo bem?

    Achei bem interessante o livro ser sobre contos, também não menos interessante Paisagem abordar o estado querido em que nasci e moro: Minas Gerais. Eu particularmente não conhecia o autor, achei a capa muito legal e realmente fiquei interessado no livro. Parabéns pela publicação!
    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga - me